Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Coisas que melhoram algumas vidas (142)

por Carla Hilário Quevedo, em 01.09.15

11796272_811797385605186_47696381763338253_n.jpg

À venda nas livrarias hoje! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:28

Blockbomba

por Carla Hilário Quevedo, em 01.09.15

Boychoir (muito mau). Divergent (abaixo de péssimo). The Magnificent Ambersons (depois de tanto lixo, só um Orson Welles me poderia salvar: muito triste mas muito bom). 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:04

Eu hoje acordei assim...

por Carla Hilário Quevedo, em 01.09.15

Ingrid Bergman 

 

... bem, obrigada. Acho normal que custe regressar à rotina quando o Verão e as férias foram bons ao ponto de nos fazerem esquecer a vida antes de partirmos, até o que éramos, os hábitos que tínhamos. É uma fantasia que revela expectativas, mas é também uma realidade que se prolonga por uns dias, até nos voltarmos a adaptar à "normalidade" que implica calçar sapatos e vestir camisolas. Chegou aquela altura do ano em que começamos a fazer de conta que somos civilizados, com o clima que dizem estar "mais civilizado" a acompanhar. Vou ter imensas saudades da selvajaria estival.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:58

À espera dos bárbaros

por Carla Hilário Quevedo, em 31.08.15

CHQ169.jpg

App PictureShow com filtro BlueVintage sobre O primeiro Dia de Acção de Graças em Plymouth, de Jennie Augusta Brownscombe (1914)

 

Há vários meses e diariamente que assistimos à fuga de centenas de milhares de pessoas da Síria, do Afeganistão, por causa da guerra civil, alguns a escapar do Estado Islâmico. Viver em certas zonas do planeta é um pesadelo que justifica arriscar a própria vida e a dos seus. Muitos enviam só as crianças. Estão mais seguras num bote de borracha no meio do Mediterrâneo do que em terra. Não se imagina o que é estar na posição de colocar um filho num barco para o desconhecido porque o que é conhecido é a morte violenta a seu tempo.

 

Os governos europeus têm demorado a reagir à chegada dos refugiados, que muitos vêem como “invasores”, esquecendo que a Europa foi feita de invasões. A diferença mais óbvia entre os fugidos à guerra, à fome e à pobreza em países do Norte de África e, por exemplo, os Vândalos, está na forma pacífica com que os primeiros chegam à ilha de Kos, na Grécia. Uma imagem de pessoas salvas pela polícia marítima a acenar de alegria por terem chegado a terra comoveu-me. É uma imagem de paz e esperança. Estas pessoas são no entanto recebidas como bárbaros sanguinários, mesmo em países como o Reino Unido. A Hungria e a Bulgária constroem muros e vedações com arame farpado para garantir a exclusão daqueles que procuram uma possibilidade de vida noutro sítio. Pobre gente que foi convencida da hipótese de ter uma vida melhor na Bulgária! Só esta “escolha” nos dá uma ideia do desespero e do engano a que estas pessoas estão sujeitas num momento de vulnerabilidade extrema.

 

Enquanto centenas de milhares de pessoas lutam pela sobrevivência, muitas delas morrendo pelo caminho, quer afogadas no Mediterrâneo, quer sufocadas em camionetas na fronteira entre a Áustria e a Hungria, os governos europeus reflectem sobre o que fazer, com todo o tempo do mundo à sua disposição. A indignação com a desgraça à nossa porta não basta, até porque na maior parte dos casos não é uma indignação “limpa”, por assim dizer. Não é uma culpabilidade deslocada pelo nosso bem-estar que nos deve atentar nos que sofrem: é o sentido de decência que tanta falta faz, sobretudo aos governantes. A excepção é Angela Merkel, a única pessoa na Europa que mostrou ser capaz de pensar e agir seriamente sobre este problema e que tomou uma posição muito clara relativamente às manifestações neonazis na Alemanha. Merkel sabe perfeitamente o perigo que isto representa, ao contrário de outros esquecidos.

 

Entretanto, já ouvi de tudo no nosso Portugal sonsinho e xenófobo. Várias pessoas desconfiam da vinda de refugiados para Portugal, porque o país, já se sabe, “é pobre”. “Não há para os que cá estão, como vai haver para os sírios?”, perguntam com a mesquinhez que Deus lhes deu. Portugal precisa de pessoas que queiram fixar-se no nosso país, aprender a língua, viver em paz e trabalhar aqui. E não necessariamente para “fazer trabalhos que os portugueses não fazem”, ah, essa sugestão de exploração infecta que paira sempre que se fala de pessoas que pouco têm. Os argumentos de xenofobia utilitarista estão aí para quem os quiser ouvir. Que venham os sírios, os afegãos, as mulheres e as crianças. Que amem Portugal e adoptem o país como seu, é o que desejo.

 

Publicado na edição de hoje do i

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:46

Dos Modernos

por Carla Hilário Quevedo, em 28.08.15

shimmering-substance.jpg

Jackson Pollock, Shimmering Substance, 1945

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:08

Vida maior

por Carla Hilário Quevedo, em 26.08.15

Uma biografia de Gore Vidal será publicada em breve nos Estados Unidos. O título é Every Time a Friend Succeeds Something Inside Me Dies e foi escrita por Jay Parini, seu amigo de longa data, e já está na minha wish list. Em breve também teremos a estreia de um documentário intitulado Best of Enemies, com os debates de Gore Vidal com William F. Buckley, político conservador e inimigo de estimação. Inimigos, rivais e gente insuportável de estimação aliás nunca lhe faltaram. Gore Vidal não suportava Truman Capote, Norman Mailer, Henry Miller, Bush pai (imagino que o filho também), Christopher Hitchens e muitos mais. O próprio Jay Parini escreveu no Guardian um texto que serve como um belo panorama dos combates com amigos e inimigos. Embora Gore Vidal tenha estado sempre por aí, a pairar nas livrarias portuguesas, nunca é demais puxar por ele. Se a sua obra é importante e vasta, a sua vida não lhe fica nada atrás. Talvez seja até maior.  

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 21-8-15

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:01