Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.04.03
Última hora da correspondente da SRA, em Pequim



Engenhoso e imaginativo o novo slogan para o combate à SARS, acabadinho de aparecer no CCTV 9 (canal chinês em inglês): SARS significa Sense Action Responsibility Success e promete.



E por falar em copiar, desta feita menos copiosamente do que no exemplo anterior, eis que chegaram ao mercado as máscaras... falsas. Tudo aldabrado lá por dentro, muitas fibras e nada de filtros. Foram apreendidas aos milhares. Esperemos que tenha melhor sorte o desinfectante "84", recomendado pelo jornal do Partido. Resta saber 84 quê...



Nani, no meio deles todos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:42

...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.04.03
Correspondente em Pequim



A minha amiga Nani resolveu ir fazer pesquisa para a tese de mestrado na China, mais concretamente em Pequim, onde viveu durante dois anos, sabe Deus também porquê. Os meus amigos são pouco patriotas; gostam muito do burgo mas em pequeníssimas doses gastas em férias do Natal e alguns dias na Páscoa (a Nani nem isso!). Embora a Nani não consiga ver o blogue em Pequim (sim, meus amigos, os chineses têm um sistema eficaz de censura na Internet: bloqueiam o acesso a quase tudo), pedi-lhe para ser a correspondente do bomba em Pequim. E a Nani aceitou! Já sabem que quaisquer perguntas sobre o que se passa em na China poderão ser enviadas para bombainteligente@hotmail.com. Estas serão de imediato reenviadas para a correspondente do bomba. Apresento-vos o primeiro relato delicioso da minha amiga mais querida de quem tenho muitas saudades.



Sobre a SRA

De todas as grandes revoluções que se anunciam por causa do "bicho", a mais inesperada e menos comentada é a de uma China desinfectada e limpinha, exalando um novo perfume a incenso, lexívia e vinagre. Primavera-Verão 2003. Ruas desertas, lojas às moscas, espectáculos cancelados, restaurantes fechados, tudo metido em casinha ao telefone e na Internet. Sem a mais pequena ideia de quando é que isto vai voltar ao normal.



É mais uma experiência, sponsored by the PRC. Está tudo suspenso, os rumores são cada vez mais imaginativos - fechar as janelas porque de noite vêm aí os aviões despejar desinfectante - e os chineses tornaram-se, de repente, um povo céptico.



A debandada começou pelos estudantes - alguns programas de intercâmbio americanos deram 48 horas aos alunos para deixar o país e apesar de outros não terem obrigado a malta a pôr-se a caminho, cortaram-lhes a bolsa. Agora também os estrangeiros que trabalham se estão a concentrar no aeroporto - voos cheios e em número reduzido... Outros, aproveitam a vulture culture e esperam pacientemente que vaguem alguns lugares...



Enfim, andávamos todos muito distraídos com a guerra do Iraque, com a incrível abertura na cobertura mediática e afinal a mentira morava ao lado... O impacto da SARS vai ser impressionante e desde Tiananmen 89 não se assistia a semelhante crise.



A última novidade é a construção de um hospital para os doentes em 5 dias e 5 noites a norte de Pequim... Não, não estou com febre.... Ao que parece o estaleiro está cheio de cartazes bem ao estilo da Revolução Cultural a incitar a malta ao trabalho. Guiness à vista, pois claro.



As notícias saem em catadupa e é bem possível que muitos países sigam o exemplo da Coreia do Sul e Taiwan e ponham qualquer alma proveniente de sítios infectados em quarentena!! Quarentena por quarentena fico em Pequim, onde tenho os meus livrinhos e fotocópias! Não esquecer que depois da decisão da OMS, qualquer um de nós aqui tem um estatuto muito perto de persona non grata...



Noutro dia li um artigo interessantíssimo sobre a dificuldade acrescida de comunicar com asiáticos com máscara e a sugestão que os chins - especialmente de Hong Kong, gente mais séria e contida - passem a utilizar mais o body language! Chinos latinos à espreita. Também havia quem defendesse a necessidade urgente de se começar a arranjar máscaras com sorrisos pintados para aliviar a visão de guerra química que se vive por estes lados. Linda a capa do Economist, com um Mao de máscara.



Muitos beijinhos do epicentro da epidemia.

Nani, no meio deles todos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:04