Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
O Luís e o Hugo têm publicadas as respostas nos seus próprios blogues. Façam favor de clicar nos linques (gosto tanto de escrever linque) e de ler os excelentes textos que aí estão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:15

...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
Não muito longe da ideia anterior está a opinião do Nelson de Matos, no Textos de Contracapa: "(..) um mau escritor, como um mau pedreiro, distingue-se, creio eu, com facilidade. Vê-se bem, salta à vista. O que é difícil é distinguir os bons. Além de serem poucos não costumam deixar as costuras à mostra..."



Aproveito para agradecer as palavras carinhosas que me dirigiu. Embora nunca tivesse falado do bomba nem de mim, eu sabia que aprovava os meus escritos e que muito provavelmente se divertia a lê-los. E ainda dizem que a intuição feminina não existe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04

...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
Do José Bragança de Miranda recebo a seguinte mensagem: "Os pedreiros são uma espécie em extinção, em contrapartida há demasiados escritores. Quando um escritor é sublime, já não e um escritor, mas um criador de mitos e um condutor de almas. São raros, mas não é eles que buscamos em tudo o que lemos? Os outros são muitos, mas não os desprezamos secretamente? Não folheamos envergonhados os livros-«pipis», desgostosos com o desperdício de talento e de inteligência? Poderá ser tudo o contrário, mas não para mim..."



Hm... ai essa dos livros-pipis, seu malandro... But on the whole I agree.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00

...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
Do blogue Conversa na Travessa, mais concretamente da Paula, chega a seguinte mensagem: "Claro que não concordo nada com essa afirmação. No entanto, parece-me hoje em dia difícil ler uma mera frase que seja que não tenha o tal do erro. Todos os dias chago a pobre cabecinha do meu marido com as gralhas abomináveis que se lêem no rodapé dos noticiários de TODOS os canais televisivos. Julgo que esse estranho sinónimo decorre da pouca importância que hoje se parece atribuir à palavra bem escrita. É uma confusão entre o escrever bem e o bem escrever.



Claro que temos esse direito. Se não o acto da escrita esbarraria sempre na condescendência. A medida de qualquer trabalho é-nos sempre dada pelos outros. Incluindo o da escrita."



Paula, gostei tanto dos seus "claro" em início de frase que nem me atrevo a comentar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:34

...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
Recebi também a respeito deste tema alucinante a opinião do João Miguel Pais.



"Tal como um mau escritor, um mau pedreiro não conseguirá construir a sua

casa devidamente, e pouco tempo passado após o término da sua construção (às vezes mesmo durante esse processo), a casa ruirá, ou então será bastante incómoda ou podendo mesmo originar várias doenças aos seus habitantes. Assim, o pedreiro não será pedreiro, pois não conseguiu cumprir o seu objectivo, o de construir uma casa habitável que se possa manter (pelo menos) alguns tempos. De modo semelhante, um mau escritor ou um escritor mesmo muito mau que já passa a ser outra coisa (não sei o quê), criará um livro que não se conseguirá aguentar em pé, mesmo admitindo que se consiga levantar. Assim, tal como a má casa, não cumprirá o seu destino de ser livro."



Discordo, João. Julgo que não fazermos bem o nosso trabalho não serve como critério para nos retirar o "título". Talvez infelizmente.



Sobre a generosidade do escritor, o João diz o seguinte: "Sim, claro (ou até o dever, caso seja necessário). Um escritor é um ser humano que com a sua história ou curriculum) cria sempre uma espectativa. Tal como o pedreiro que construiu uns prédios interessantes no bairro da esquerda, os da direita que vão ser construídos serão tanto ou mais interessantes. Assim, ele cria a sua fasquia, que os bons escritores levantam constantemente. Ou como com um/a amigo/a especial, que não deixa de ser generoso, também pode (mesmo inadvertidamente) causar alguma desilusão."



É verdade. Quando se cria expectativas, é inevitável que alguém, alguma vez, se desiluda connosco. Porque há-de um escritor ser diferente?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:22

...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
Do Tempo Dual recebo a seguinte mensagem: "Tenho um tio que foi pedreiro, foi durante muitos anos, diziam que era dos melhores. Um dia meteu na cabeça que não conseguia construir mais nada. Dava-lhe assim uma espécie de tremores. E pronto, passou a ser o tio que por causa da doença de nervos deixou de trabalhar. De vez em quando faz umas coisas em casa, ou mesmo para alguns familiares, mas a coisa tem de ser muito bem estudada. Se lhe atiram de jofre com "oh, shor' antónio, tenho um trabalhinho bom para si" lá vêm os tremores.



. Talvez um escritor passe a ser mau quando deixa de ter medo de falhar.



. Essa fasquia pusemo-la lá em baixo no dia em que começamos a acreditar que quem tem um olho é rei, como se por acaso vivessemos em terra de cegos (era o que faltava).



. A desilusão, não sei. Às vezes o direito à desilusão parece um exercício de arrogância. Mas que fazer com a indignação se nos sentimos enganados? Pronto, realmente não sei, esta passo."



Obrigada, Cláudia, pelas muito boas respostas. A terceira, a que passou, está respondida nas suas perguntas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:13

...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
O Fernando Dinis diz o seguinte: "Eu acho que um escritor é uma espécie de missionário; é ouvido (lido) enquanto houver crença nele, ou a fé, por aquilo que prega. Julgo que sejam sempre os outros que tornam um escritor num bom ou num mau escritor, consoante a sua interpretação. O escritor navega às apalpadelas, de livro para livro, afinando o rumo, equilibrando o passo, oferecendo chocolates ou gelados aos nervos dos dentes. Raros são os que encontram um caminho de loucura indefinida; e aí sim, num mundo deles, exercem a altiva forma de estar. Aqui funciona o inverso; quem quiser, ao lê-lo, entra ou não no seu mundo."



Pois. São os outros que dizem quem é bom e quem é mau. Normalmente, estes outros exercem algum tipo de influência nas pessoas e têm uma determinada autoridade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:06

...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
O António Mota também faz o favor de dar para este peditório organizado por moi même (obrigada!).



"Acerca do seu último contributo polémico, eu diria: quando dizemos que fulano(a) é escritor ou é pedreiro ? bom ou mau é-o. O problema está em que catalogamos antes de identificarmos e depois andamos meio tempo a justificar o rótulo. Com excepção dos analfabetos, todos sabem escrever um pouquinho, dar um pequeno recado, o que não faz do escrevente um escritor, assim como não faz do trolha que dá uma mão e ajuda o pedreiro num destes profissionais (e também há pedreiros que não são pedreiros pois são artistas! Enfim, fiz-me entender?)."



Ainda bem que saber escrever não significa que sejamos todos escritores. O mercado ficaria saturado! Acho graça à ideia do profissional da escrita, da actividade criativa como um processo racional, trabalhoso e que se torna possível porque se adopta uma determinada técnica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:58

...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
O André Figueiredo Fontes diz o seguinte: "se o generoso escritor tem o direito de nos iludir, também terá sempre o direito de nos desiludir... A opção é sempre dele". Hm... e como sabemos isso? E, já agora, o próprio autor como sabe?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:52

...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
A Ana Maria conta este pequeno episódio que arruina a minha primeira pergunta: "O pedreiro foi lá a casa para fazer uns arranjos e disse: 'ó minha senhora, quem lhe fez isto não era pedreiro'". Os pedreiros têm fama de exagerados...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:14

...

por Carla Hilário Quevedo, em 19.10.03
Aproveito a calma do domingo (para mim, o melhor dia para blogar) para pôr o correio em dia. Os textos que publicarei em seguida, bem como os respectivos comentários, referem-se à discussão iniciada aqui na quarta-feira.



O Pérfido envia-me a seguinte mensagem: "Não dar erros ortográficos não faz de ninguém um bom escritor. Mas qualquer escritor deve esforçar-se para não cometer erros ortográficos. Afinal de contas, se os cometer inconscientemente, como poderá ter a certeza de fazer passar a mensagem?"



A "mensagem" não passa pela boa ortografia, mas pela "boa semântica" (seja lá o que isso significa) e, mesmo assim, não há garantias nem de que haja mensagem, nem de que passe.



O Pérfido continua: "Há erros mais difí­ceis de detectar. É que, como ambos sabemos, o escritor é o principal responsável pela obra que escreve, enquanto o pedreiro constrói a obra sob as indicações de outros." Sim, parece-me uma evidência.



E conclui: "Mas um livro pode sair torto que não mata ninguém. Logo, o escritor pode experimentar. Espero que nenhum de nós entre em contacto com uma edificação torta..." Logo, o pedreiro é mais importante do que o escritor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:10