Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Carla Hilário Quevedo, em 09.04.04
Inscrição em qualquer sepulcro



Que o mármore temerário não arrisque

ruidosas transgressões ao poder do esquecimento,

enumerando com prolixidade

o nome, as opiniões, os factos, a pátria.

Tantos enfeites pertencem às trevas

e que o mármore não diga o que calam os homens.

O essencial da vida fenecida

- a trémula esperança,

o milagre implacável da dor e o assombro do gozo -

irá perdurar sempre.

Às cegas reclama duração a alma arbitrária

quando a tem assegurada em vidas alheias,

quando tu próprio és o espelho e a réplica

dos que não atingiram o teu tempo

e outros serão (e são) a tua imortalidade na terra.



Jorge Luis Borges, Obras Completas, "Fervor de Buenos Aires", vol. I, tradução de Fernando Pinto do Amaral, Editorial Teorema, Lisboa, 1998, p.33.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:57