Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Carla Hilário Quevedo, em 03.02.07
Não seja por isso: aqui fica o artigo lúcido e sereno de Esther Mucznik, cuja opinião me interessa.

Referendar o quê?
Esther Mucznik, Público (02-02-2007)

"Sede fecundos, multiplicai-vos e enchei a terra", ordena o Criador no livro I da Bíblia, o Génesis. Como interpreta o judaísmo esse imperativo, hoje, no momento em que nos preparamos para votar no próximo referendo sobre a despenalização do aborto?

A tradição rabínica não tem uma posição dogmática em relação ao aborto: não o proíbe radicalmente, nem o permite indiscriminadamente. Acima de tudo está a vida da mulher mãe: a sua saúde física e psíquica - o que implica não só as condições que determinaram a gravidez, mas a capacidade e a vontade de gerar e acolher a nova vida. Nesta perspectiva da prioridade da vida da mãe, o aborto não é considerado crime, porque o embrião ou o feto é parte do corpo da mãe e, apesar de ser uma vida em potência, não tem ainda existência própria. Mas se há consenso total na possibilidade e mesmo obrigatoriedade de interromper a gravidez em caso de perigo de vida para a mulher, já os outros condicionalismos são alvo de controvérsia. Porquê? Porque do ponto de vista dos valores éticos judaicos, como o valor supremo da vida e da procriação, o aborto é condenável: não se trata de um simples acto cirúrgico, mas sim do drama de uma vida única e insubstituível que é interrompida no seu início, do surgimento de outro ser a partir do já existente, o aparecimento do futuro a partir do presente. Então deve-se privilegiar o quê? O futuro em potência ou a actualidade do presente, o ser que se anuncia, ou a realidade existente? Posta assim, no geral e no abstracto, esta questão não tem resposta: cada caso é um caso e o judaísmo reconhece que a análise da lei judaica não é unívoca e que a decisão última pertence à mulher e ao casal, depois de aconselhamento médico e, se for o caso, de uma autoridade rabínica, no quadro dos parâmetros éticos e legais do judaísmo.

Sintetizando, os princípios gerais que presidem à questão do aborto na tradição judaica são: 1. o aborto como forma de evitar e fugir à responsabilidade de gerar e criar os filhos está em total oposição aos valores judaicos; 2. apesar de condenável, do ponto de vista ético, o aborto não é considerado crime pelo facto de o feto não ter existência própria; 3. a vida de uma mulher, a sua saúde ou o seu sofrimento são prioritários em relação ao feto, a vida existente tem prioridade em relação à vida em potência; 4. dentro do seu quadro familiar, médico e religioso, a mulher tem a liberdade pessoal de escolha e opção.

Evoco aqui a posição judaica apenas a título de informação e não porque ela tenha algo a ver com este referendo. Com efeito, haverá judeus que votarão "não", outros que votarão "sim". Haverá outros certamente que nem concordarão com a interpretação que acabo de fazer. As convicções religiosas são da consciência individual de cada um e influenciam certamente os crentes no momento do voto, mas, em minha opinião, não são chamadas para o debate neste referendo. Porque me recuso a debater o valor da vida na praça pública e em abstracto; no âmbito do referendo, não quero discutir se a vida começa na concepção, às dez semanas ou à nascença; se a vida é um valor absoluto ou não; se tem mais amor à vida quem defende o "não" ou quem defende o "sim"; detesto a instrumentalização da ciência e das imagens de fetos embrionários, destinada a impressionar as consciências, como se cada mulher não soubesse e sentisse logo nas primeiras semanas que tem uma vida que cresce dentro de si - é obsceno e indecente; detesto também e talvez acima de tudo, a arrogância de muitos defensores do "não", o fanatismo intolerante e iluminado de quem se sente imbuído da missão de salvar o mundo. Faz-me lembrar demasiadas coisas.

Mas a verdade é que detesto também a imagem miserabilista da mulher irresponsável, vítima e humilhada que é fornecida por muitos defensores do "sim", a exibição da agulha do tricô e do raminho de salsa, como troféus do seu sofrimento...; como se hoje o acesso à informação e à contracepção fosse inacessível, como se nada tivesse mudado desde 1983. Devo dizer que não me reconheço em grande parte da argumentação do "não", nem na do "sim". E sei que no momento da decisão, tal como em todas as grandes decisões da vida, estamos sós. Face à nossa consciência e à liberdade que faz de nós seres humanos. O que eu gostava de discutir: a valorização social e o estímulo à maternidade, a protecção à criança e à mãe, as licenças de parto, as creches e os jardins de infância; a informação sobre a contracepção e o planeamento familiar; o apoio e o aconselhamento médico no momento de tomar a decisão de ter ou não ter um filho... Ninguém conseguirá impedir a decisão íntima e por vezes vital de uma mulher de interromper uma gravidez não desejada. Mas se as mulheres sentirem que a maternidade pode ser um factor de realização não apenas pessoal, mas também social; se souberem que não têm de pagar metade do seu salário para infantários de qualidade mais do que duvidosa; se não tiverem de viver dilaceradas entre a impossibilidade de viverem plenamente o seu papel de mães e simultaneamente a sua vida social e profissional, então talvez isso contribua para diminuir - nunca para suprimir - o número de abortos, ou, pelo menos, para estimular e aumentar a confiança na maternidade, que essa sim é uma questão vital nas nossas sociedades do medo.

Dir-se-á que não é isso que está em causa neste referendo. Mas também não é a defesa da vida. O que vai a votos não é a moral, a ética, a religião ou a consciência. Estas questões não são referendáveis. O que vai a votos é uma lei que, a ser aprovada, deixará de considerar um crime a interrupção voluntária da gravidez nas condições da pergunta do referendo. Liberaliza o aborto? Sem dúvida, mas no sentido em que o descriminaliza, não no sentido em que o banaliza. Porque toda a mulher sabe que a decisão de abortar não depende de nenhuma lei. Esta apenas ajudará a tornar mais segura do ponto de vista médico e psicológico a decisão já tomada. Por isso, e apesar da minha opinião não interessar a ninguém, votarei "sim" no próximo referendo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:39

...

por Carla Hilário Quevedo, em 03.02.07
Eu hoje acordei assim...

Image Hosting by PictureTrail.com
Scarlett Johansson

... como sabem os leitores mais atentos do bomba, nos últimos meses tenho estado nas minas, que é como quem diz, tenho trabalhado numas coisas que eu cá sei. Desses trabalhos de investigação (são vários para coisas diferentes) faz parte a leitura de uma série de livros (da qual não faz parte nenhum dos volumes de Freud). Não me tem custado não mencionar nenhum deles. Ontem, no entanto, desviei-me do meu caminho mineiro e entusiasmei-me com outro livro (que também não tem nada a ver com o Freud). A minha primeira tentação foi a de imediatamente pôr duas ou três citações no blogue, mas não fui capaz. Pela primeira vez, desde que tenho o blogue, não posso falar sobre uma coisa que me apetece. Obrigo-me assim a restringir a minha própria liberdade, porque aquela leitura (e sobretudo o entusiasmo que provocou) concentra os aspectos importantes da minha vida neste momento. Nenhum deles é partilhável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:10