Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Carla Hilário Quevedo, em 20.04.07
Eu hoje acordei assim...

Image Hosting by PictureTrail.com
Betty Page

... no outro dia um querido amigo dizia-me que achava fantástico que Freud, mesmo com um cancro na boca, quase no fim da vida, tivesse tido uma amante. Expliquei que a generosidade feminina é ilimitada e ele riu-se, mas depois fiquei a pensar que ambos não tínhamos razão nenhuma, zero. Além de ter tido a amante ainda com 50 anos (um puto saudável), a verdade é que Freud podia estar completamente podre, a liquefazer-se, a babar-se o dia todo, o que quiserem, que seria sempre um dos homens mais fascinantes que alguma vez Deus colocou neste planeta, com a contribuição - julgo que maior do que ela própria alguma vez suspeitou - da senhora sua mãe. E isto tem muito que se lhe diga. As parvoeiras ditas nos últimos tempos a respeito deste crime na Universidade da Virgínia têm sido em catadupa e claro que o Iraque e mais não o quê. Importava saber porque é que o crime na América é diferente. Sim, as pessoas desde Caim e Abel que se matam (o primeiro assassínio aconteceu por inveja, é preciso de vez em quando lembrar), mas nos Estados Unidos têm mais espaço e matam-se umas às outras de uma maneira diferente. É preciso tentar perceber as coisas. E depois tive uma ideia (nada menos que brilhante) para resolver este primeiro parágrafo (pela razão já apontada pelo caríssimo Jansenista), mas agora tenho de ir ali. Talvez mais tarde.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:03