Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.05.07
Caracóis, sandálias e traições (2)



Houve várias coisas magníficas neste episódio: a cabeça de Erastes Fulmen atirada para debaixo de um móvel qualquer, tum, tum; Octávio exige o dinheiro que lhe foi deixado por César, para que possa pagar os 75 denários a cada plebeu; Voreno que não se suicida porque Dis é que sabe quando chegou a sua hora; Marco António a delegar em Voreno a responsabilidade pela crise no Aventino; outra vez a cabeça de Fulmen a apodrecer, cheia de moscas e Tito Pulo a dizer a Marco António que Voreno sempre que olha para aquilo fica mais consolado (eu por acaso percebo, tem graça); Tito pulo pede a Voreno que não ande a dizer que é filho de Hades porque os deuses não gostam dessas coisas (ah, pois não gostam, não); Servília diz a Cícero que Bruto deve voltar a Roma, mas Cícero - que mal tratado é na série, como um cobarde repugnante - diz que é melhor não; Octávio, farto de esperar por Marco António, pede um empréstimo de três milhões de denários e entra na vida política, e a sua decisão enfurece Marco António - Átia escolhe não apoiar o filho (este comportamento de Átia merece reflexão); finalmente, na caravana de Octávio, de partida para a Campânia, encontramos os filhos de Voreno, bastardo incluído. São várias coisas magníficas, como vêem, mas depois há duas extraordinárias: o par de estalos de Cleópatra a Marco António e uma cena brevíssima com uns criminosos no Aventino a torturar outros criminosos metendo-os nuns sacos e mergulhando-os na água de uma fonte (antes de chegar a trégua sagrada). Sobre esta cena dos sacos, lembro-me de um castigo que consistia em meter o culpado de algum crime num saco de sarapilheira na amena companhia de um macaco, um galo e uma serpente e atirá-lo ao Tibre. Se sobrevivesse, tudo bem, se não, então era porque Dis não queria mesmo que continuasse a sua vida de ladroagem e crime. Mas tenho de verificar. Nesta cena, só vi serpentes mas o princípio era o mesmo. O par de estalos é soberbo. Nota máxima para a execução técnica logo seguida de nota máxima para a coreografia. Parte de trás da mão primeiro com uma medida de força suficiente para marcar uma posição e desarmar Marco António, e regresso com a palma da mesma mão no outro lado da cara com a mesma medida de força. Em não mais de três segundos, a questão fica resolvida sem dramas desnecessários, justificações ou lamentações. Trás, trás e pronto. "It is not allowed to touch."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:33

...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.05.07
Caracóis, sandálias e traições (1): actualizado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:31

...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.05.07
Coisas que melhoram algumas vidas (71)




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:30

...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.05.07
Os olhos das heroínas


Imagino Ofélia, Julieta, Catherine Earnshaw, Dulcineia, Scarlett O’Hara e tantas outras heroínas românticas da literatura e do cinema como mulheres pálidas, frágeis e olheirentas. Pois o excesso de sofrimento amoroso pode hoje em dia ser muito bem disfarçado com maquilhagem sofisticada. As heroínas modernas, por vezes mais excessivas do que as suas antecessoras, podem usar magníficos anti-cernes e fazer de conta que são seres frios e racionais. Ora, entre os correctores mais sofisticados do mercado - como, por exemplo, o Diorskin Sculpt Lifting Smoothing, da Christian Dior, um corrector muito suave e eficaz, que se aplica como um lip gloss com uma minúscula esponja - existe o Ferrari dos correctores, o melhor amigo das mulheres com olheiras, talvez o mais caro, mas também superluxuoso: chama-se Touche Éclat e é da Yves Saint Laurent. A diferença está na textura do creme, finíssimo e de imediata absorção e no tipo de pincel, que permite uma aplicação doseada e eficaz. Com uma óptima base por cima e um pouco de blush, ninguém diria que sofre, que se preocupa, que passa por momentos de profunda tristeza. Viva a maquilhagem de luxo!

Publicado na Tabu (Cinco Sentidos), a 17-02-07. Dedicado à Margot.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:17

...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.05.07
The Last Knit (via João Miranda)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:36

...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.05.07
Metabloggers do it better (57)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:13

...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.05.07
Blockbomba: Blood Diamond (uma chatice violenta insuportável que vi até ao fim por culpa deste deus). Marie Antoinette (ou eu ando um bocado maçada ou trata-se de outra chatice lenta, embora colorida e muito bem filmada, ainda por cima com sapatos divinais. Marie Antoinette pode ter tido uma vida curta, mas foi com certeza uma belíssima vida). The Last King Of Scotland (completamente boring).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:10

...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.05.07
Awardemos, pois então!



Ao Human Computer, ao Prazeres do Diabo, ao Impensável e ao Anarcoconservador agradeço o award e passo-o desde já aos seguintes blogues:

- O Jansenista;
- Combustões;
- F, World;
- Pastoral Portuguesa;
- Tradução Simultânea.

(São apenas cinco entre muitos, estando a maior parte incluídos na minha lista. Escolher só cinco é mesmo uma loucura, mas enfim.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:52