Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Poema de Los Dones

por Carla Hilário Quevedo, em 01.03.08

Nadie rebaje a lágrima o reproche
esta declaración de la maestría
de Dios, que con magnífica ironía
me dio a la vez los libros y la noche.

De esta ciudad de libros hizo dueños
a unos ojos sin luz, que sólo pueden
leer en las bibliotecas de los sueños
los insensatos párrafos que ceden

las albas a su afán. En vano el día
les prodiga sus libros infinitos,
arduos como los arduos manuscritos
que perecieron en Alejandría.

De hambre y de sed (narra una historia griega)
muere un rey entre fuentes y jardines;
yo fatigo sin rumbo los confines
de esta alta y honda biblioteca ciega.

Enciclopedias, atlas, el Oriente
y el Occidente, siglos, dinastías,
símbolos, cosmos y cosmogonías
brindan los muros, pero inútilmente.

Lento en mi sombra, la penumbra hueca
exploro con el báculo indeciso,
yo, que me figuraba el Paraíso
bajo la especie de una biblioteca.

Algo, que ciertamente no se nombra
con la palabra azar, rige estas cosas;
otro ya recibió en otras borrosas
tardes los muchos libros y la sombra.

Al errar por las lentas galerías
suelo sentir con vago horror sagrado
que soy el otro, el muerto, que habrá dado
los mismos pasos en los mismos días.

¿Cuál de los dos escribe este poema
de un yo plural y de una sola sombra?
¿Qué importa la palabra que me nombra
si es indiviso y uno el anatema?

Groussac o Borges, miro este querido
mundo que se deforma y que se apaga
en una pálida ceniza vaga
que se parece al sueño y al olvido.

 

Jorge Luis Borges. Helena, que argumentista se lembraria de dar uma biblioteca a um cego?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:42

Eu hoje acordei assim...

por Carla Hilário Quevedo, em 01.03.08

 

Monica Bellucci

 

... três aventuras de Sherlock Holmes são protagonizadas por estrangeiros. Falo de The Adventure of the Six Napoleons (italianos), The Adventure of Wisteria Lodge (hispânicos) e The Problem of Thor Bridge (brasileiros). É curioso, mas as histórias não são tão boas, talvez à excepção da emocionante aventura dos seis bustos de napoleão. Mesmo quem não conheça o enredo é capaz de deduzir que num desses bustos se esconde alguma coisa valiosa. Mas o mais engraçado destes três episódios são as personagens femininas. Todas oriundas de países de climas quentes, do sul, são apaixonadas, arrebatadoras, exageradas na alegria e na tristeza; in a nutshell, são umas descontroladas. Por exemplo, a brasileira Maria Pinto, de The Problem of Thor Bridge, começa por ser assim descrita: "Tropical by birth and tropical by nature. A child of the sun and of passion". Esta criatura dos trópicos é de tal forma intensa que se suicida porque o marido (um inglês ambíguo) se apaixona pela preceptora inglesa tipicamente friazinha. Mas o modo como se suicida (pouco claro, daí a intervenção do nosso super-Holmes) é engenhoso, vingativo e obriga ao uso da razão. The Adventure of the Six Napoleons começa com a imagem de uma mulher a deitar água por cima da cabeça, tomando banho vestida com uma espécie de combinação. Não temos creatures from the tropics mas temos italianos, o que é o mesmo. As mulheres sofrem em relações de amor proibidas, vestem de preto da cabeça aos pés, e aquilo é tudo um descalabro. Em Wisteria Lodge, o mau é um ditador muito ao estilo dos ditadores sul-americanos (mas não percebo muito bem porque o homem é de San Pedro, mas a minha geografia é péssima) e a protagonista, oriunda do mesmo local, é a viúva de uma das vítimas desse monstro medonho, que consegue fazer-se passar por uma preceptora inglesa, vá-se lá saber como tal a paixão exibida (ainda por cima com sede de vingança). Claro que há choradeira a rodos, as mulheres são sempre agarradas pelo braço (pelo menos uma vez) e empurradas e drogadas. Não se sabe muito bem o que fazer com estas criaturas que inspiram sobretudo compaixão. São sempre vulneráveis, dominadas pelas emoções, sem sentido de humor, dramáticas e vagamente maçadoras. Mas as inglesas são todas donas-de-casa mais ou menos sofisticadas. E depois temos a única mulher que passou a perna a Sherlock Holmes: Irene Adler, de A Scandal in Bohemia. Uma inglesa intensa parece ser a mistura ideal: "To Sherlock Holmes she is always the woman. I have seldom heard him mention her under any other name. In his eyes she eclipses and predominates the whole of her sex. It was not that he felt any emotion akin to love for Irene Adler. All emotions, and that one particularly, were abhorrent to his cold, precise but admirably balanced mind. He was, I take it, the most perfect reasoning and observing machine that the world has seen, but as a lover he would have placed himself in a false position. He never spoke of the softer passions, save with a gibe and a sneer. They were admirable things for the observer - excellent for drawing the veil from men's motives and actions. But for the trained teasoner to admit such intrusions into his own delicate and finely adjusted temperament was to introduce a distracting factor which might throw a doubt upon all his mental results. Grit in a sensitive instrument, or a crack in one of his own high-power lenses, would not be more disturbing than a strong emotion in a nature such as his. And yet there was but one woman to him, and that woman was the late Irene Adler, of dubious and questionable memory." Ah, que descrição! Vale a pena ler a história. E ver o episódio com Jeremy Brett, claro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:15