Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dos Antigos

por Carla Hilário Quevedo, em 10.06.08

Annibale Caracci, Jupiter et Junon, século XVI

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:49

E o que eu gosto de sapateado, senhores! (12)

por Carla Hilário Quevedo, em 10.06.08

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:46

Blockbomba

por Carla Hilário Quevedo, em 10.06.08

Atonement (péssimo, a evitar absolutamente).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:43

A última noite

por Carla Hilário Quevedo, em 10.06.08

Há vantagens em ter um conservador no poder. Uma é a aceitação racional de que os aspectos menos agradáveis são parte dos seres humanos, outra é perceber que por vezes não se pode nem se deve evitar a guerra, e outra ainda é uma capacidade incomparável de gozar a vida. Estas características tornam um político num ser humano melhor. O Mayor de Londres, Boris Johnson, é um bom exemplo de tudo isto. Mesmo na proibição é caloroso e humano. Pouco depois de ser eleito, o Mayor anunciou que, no intuito de tornar as viagens de metro mais seguras e agradáveis, o consumo de álcool seria proibido. É uma maneira sorridente de apresentar a questão, sobretudo num país também conhecido pelo hooliganismo. No dia anterior ao da aplicação da nova lei, o Mayor dirigiu-se assim à população: «Esta noite vamos beber um copo». E assim aconteceu. Rule, Britannia! Britannia rule the waves… Seguindo o conselho conservador, cerca de duas mil pessoas foram até ao metro, munidas de garrafas de vinho e latas de cerveja. Como em todas as festas, houve quem se divertiu e quem se passou. Todos se despediram alegremente dos bons tempos do alcoolismo underground.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 7-06-08.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:40

Green Finch and Linnet Bird em coreano, cantado por Esther Ryu: uma beleza

por Carla Hilário Quevedo, em 10.06.08

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:59

Diferenças fundamentais

por Carla Hilário Quevedo, em 10.06.08

Há, no entanto, uma diferença muito grande entre o pretty women cantado por Sweeney Todd e aquele cantado pelo juiz Turpin. Sweeney refere-se à mulher e o juiz às várias mulheres que colecciona. E a diferença entre um marido e um coleccionador é vasta. Quantas mais ouço este brilhante musical, mais dou por mim a compreender Sweeney Todd, um homem perdido e não maléfico; ao contrário de Mrs. Lovett, uma bruxa cruel e má, aliás com o final que merece. É ainda muito adequado o destino final do barbeiro. Diria que eloquente sobre a personagem. Nada excessivo, apenas correcto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:38