Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Oh, the shark, babe, has such teeth, dear

por Carla Hilário Quevedo, em 10.02.11

And it shows them pearly white
Just a jackknife has old MacHeath, baby
And he keeps it, out of sight
You know when that shark bites with his teeth, baby
Scarlet billows start to spread
Fancy gloves, ooooh, wears MacHeath,
So there's never, never a trace of red

On the sidewalk, huh, whoo sunny mornin', uh huh
Lies a body oozin' life, eek
Someone's seein' clear around the corner
Could that someone be, hmm, old Mack the Knife?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:44

Vida real (17)

por Carla Hilário Quevedo, em 10.02.11

Um disco muito bonito, gravado em 1993, onde está o tango Fangal, que a dada altura reza assim: y justito, cuando vi que se venía ya de cúbito dorsal, me la agarré.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:46

...

por Carla Hilário Quevedo, em 10.02.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:30

Do you know what you started?

por Carla Hilário Quevedo, em 10.02.11

I just came here to party

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:23

Bomba de Ouro

por Carla Hilário Quevedo, em 10.02.11

"Foram muitas as vezes em que tentei pôr de lado esta inquietação e aceitar a pessoa, mas aquele Penn que tem no nome – e que, como todos nós, corações sensíveis, sabemos, deveria figurar ao lado direito de um Ciccone – nunca o permitiu." Da regressada batukada. Viva!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:20

Bomba-correio

por Carla Hilário Quevedo, em 10.02.11

O Juan Goldín descobriu este vídeo raro do Mestre Virgilio Expósito, a cantar um tango preferido, Naranjo en Flor, na Biblioteca Nacional Jorge Luis Borges, em 1996. Chuif, que lindo... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:08

Eu hoje acordei assim...

por Carla Hilário Quevedo, em 10.02.11

Catherine Deneuve, num filme de Roman Polanski

 

... descongelada e com os cabelos ao vento. Tenho estado a ver filmes de Luis Buñuel, uma actividade que tem tomado muito do meu tempo: vejo e penso, penso e vejo. Isto tudo demora. Entretanto, cruzei-me no outro dia pela segunda vez com o Coimbra de Matos, um dos homens mais amados de Portugal. E mais detestados também, como acontece com frequência aos mais amados. Para a próxima pergunto-lhe se gosta do Buñuel. Só pode gostar. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:35