Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Estudar +

por Carla Hilário Quevedo, em 15.04.11

As aulas são às 18h30. Para + informações, veja aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:50

Adenda

por Carla Hilário Quevedo, em 15.04.11

O iPad 2 chegou a Portugal e esgotou logo. Foram cinco mil tablets vendidos em dois dias. A notícia não me pareceu nada de especial. Se não tivermos cinco mil pessoas que podem comprar este gadget maravilhoso, é muito mau sinal. Dias depois, li que cerca de 4800 foram comprados com o cartão de crédito*! Estamos mesmo pior do que pensávamos.

 

* E não acredito que todos paguem a totalidade mensal do cartão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:38

Rádio Blogue: Crédito fácil

por Carla Hilário Quevedo, em 15.04.11

O Fernando sonha com viagens. Mas com três filhos era difícil realizar os seus sonhos. Um dia pediu um empréstimo e levou a família numas merecidas férias às Caraíbas. Como? Pediu dinheiro emprestado a uma empresa de crédito a particulares. O juro não era alto e a taxa fixa convencera o Fernando de estar a fazer um óptimo negócio. Mas a vida mudou. As férias nas Caraíbas correram mal e a mulher pediu o divórcio. Com apenas um salário para tantas pensões de alimentos, o Fernando deixou de cumprir o pagamento da mensalidade à empresa de crédito. Nunca mais teve férias na vida. A Vanda e o Paulo moravam numa casa velha e um dia decidiram fazer obras. Pediram dinheiro emprestado a uma empresa de crédito a particulares. O juro não era alto e a taxa fixa convencera ambos de estarem a fazer um óptimo negócio. Mas a vida mudou. A empresa onde a Vanda e o Paulo trabalhavam fechou e deixaram de pagar a mensalidade à empresa. O Luís queria muito ter um iPad. Quando percebeu que o banco o financiava para o comprar em suaves prestações de quarenta euros por mês, durante 24 meses, nem hesitou. Era só mais um empréstimo que contraía, além do crédito à habitação, o empréstimo para pagar o carro e o cartão de crédito. Eram só mais quarenta euros por mês. Um dia o Luís viu que o banco afinal era o dono de tudo o que achava ser seu. Vendeu o carro, pagou o empréstimo automóvel e passou a andar de autocarro. Graças a um segundo emprego, durante dois anos pagou o cartão de crédito e o iPad. Manteve o crédito à habitação. Passados dois anos, no dia mais feliz da sua vida, o Luís cortou o cartão de crédito à tesoura. O crédito fácil ajudou à ruína dos portugueses?

 

Publicado hoje, no Metro. Deixe a sua opinião através do 21 351 05 90 ou no Jazza-me Muito. Os comentários que chegarem até quinta-feira, dia 21 de Abril, às 15h, vão para o ar, na Rádio Europa, na sexta, dia 22, às 10h30.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:32