Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Destaques

por Carla Hilário Quevedo, em 13.05.11

A Livreira Anarquista Imprensa Falsa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:45

Rádio Blogue: Debates eleitorais

por Carla Hilário Quevedo, em 13.05.11

Começaram de novo os debates eleitorais, obrigatórios entre líderes partidários ou candidatos a Primeiro-ministro. Chegámos, mais uma vez, àquele momento em que não sabemos se são os debates que influenciam as sondagens ou se são as sondagens que influenciam os discursos dos participantes. A grande novidade, desta vez, é que estas eleições parecem limitar-se à escolha de três partidos ou à escolha de quem vai liderar um governo que, tudo leva a crer, será no mínimo composto por dois partidos. O PCP e o Bloco de Esquerda, ao negarem a inevitabilidade dos empréstimos para saldar as dívidas nacionais, e ao não quererem assinar nenhum pacto de compromisso, parecem estar voluntariamente auto-excluídos de qualquer solução governamental. A solução desta crise passa por aplicar aquilo a que geralmente se chama medidas de direita ou liberais. Esta particularidade leva-me a pensar que a esquerda tem soluções para distribuir o dinheiro, mas não tem propostas para o ganhar. Estou a simplificar e talvez por isso pareça injusta. Mas se o for, não é culpa minha. Fui levada a esta conclusão por ouvir constantemente os partidos do centro-direita a prometer honrar as obrigações impostas pela «troika», e até a elogiá-las. Ao mesmo tempo, ouvi inúmeros economistas, especialistas e comentadores a concordar que muitas destas medidas que nos são agora impostas já deviam ter sido tomadas há muito tempo. Há muitos portugueses que, desconhecendo o preço alto que pagaremos por causa destas medidas, defendem que era mais que hora de alguém pôr as contas, o estado e os partidos em ordem. Ou seja, em simultâneo com os debates e a campanha decorre uma outra vida em que tudo foi já decidido, e que é a do acordo estabelecido com a «troika» constituída pelo FMI, o Banco Central Europeu e a Comissão Europeia. Havia outra solução para Portugal sair desta situação? A esquerda fez bem em não estar presente nas negociações com a «troika»? Perante este cenário, para que servem os debates eleitorais?

 

Publicado hoje, no Metro. Deixe a sua opinião através do 21 351 05 90 ou no Jazza-me Muito. Os comentários que chegarem até quinta-feira, dia 19 de Maio, às 15h, vão para o ar, na Rádio Europa, na sexta, dia 20, às 10h30.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:38

Eu hoje acordei assim...

por Carla Hilário Quevedo, em 13.05.11

 

Catherine Deneuve

 

... tenho estado a pensar naquele vídeo que fizeram para expor a falta de respeito, gratidão e solidariedade dos finlandeses. Não sei se gosto da ideia de sermos obrigados a explicar a um país europeu a importância histórica de Portugal no mundo. É parecido com conversas (geralmente sem retorno) entre gente qualificada e capaz, mas sem poder, e ignorantões com poder. Os ignorantes não sabem o que têm à sua frente nem percebem quando a outra pessoa lhes explica. A posição de quem explica, por isso, nunca é boa. O vídeo é engraçado (o do Estoril, não o de resposta, que é muito pobrezinho, coitado), mas tem por base uma certa condescendência em relação ao próprio País que enaltece. É possível, no entanto, que não esteja a reconhecer o humor no vídeo. Ou isso, ou o elogio do pastel de nata é mesmo muito difícil de fazer.     

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:19