Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dos Antigos

por Carla Hilário Quevedo, em 27.12.11

Du_Toit_Isabelle_-Cardinals

Isabelle du Toit, Cardinals, 2008

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:46

L'amour est un oiseau rebelle

por Carla Hilário Quevedo, em 27.12.11

Que nul ne peut apprivoiser,

Et c'est bien in vain qu'on l'appelle

S'il lui convient de refuser.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:41

Problemas de mortalidade

por Carla Hilário Quevedo, em 27.12.11

Segundo Jorge Luis Borges, se fôssemos imortais acabaríamos por escrever a Odisseia ou a Ilíada. Contra nós temos, não a falta de talento para produzir obras grandiosas, mas uma incomensurável falta de tempo. Assistindo aos dois primeiros episódios da série New Amsterdam, cedida pelo canal MOV, percebi que Borges, no seu solipsismo, se esqueceu de um pormenor no seu plano de imortalidade: os filhos. Escreveríamos obras grandiosas e teríamos filhos e netos e bisnetos que veríamos crescer e morrer antes de nós. É o que acontece a John Amsterdam, detective da polícia de Nova Iorque, que morreu há 400 anos, quando era um soldado holandês em Nova Amesterdão. John morre ao salvar uma rapariga índia da morte certa, mas ela cura-lhe a ferida e promete-lhe que não envelhecerá nem morrerá até encontrar o amor da sua vida. John tem o aspecto de um homem de 35 anos. Há 15.965 dias que não bebe álcool, teve 609 namoradas e vai no 36.º cão, a que chama, convenientemente, 36. Apesar das mulheres que foi amando, ainda não encontrou aquela que o matará. A possibilidade que New Amsterdam apresenta é a de que o par certo existe. O problema é a mortalidade.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 23-12-11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:33

Entre o Natal e o Ano Novo

por Carla Hilário Quevedo, em 27.12.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:24

Eu hoje acordei assim...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.12.11

The Taylor

Elizabeth Taylor

 

... A Pilar já viu isto?
- Charlotte, há tanto tempo!
- Bom ano para si também.
- Está zangada, não é?
- É, é. Mas que raio de ideia mais estapafúrdia!
- Muito, de facto. Mas sabe que as pessoas são livres de tomar as suas decisões, de viver a sua vida, até de emigrar, se assim o desejarem, que ninguém tem nada a ver com isso...
- Não me venha com essa conversa enjoativa da liberdade individual.
- ... é por isso que a Charlotte aprecia os Sopranos, Dexter, Justified, etc.
- O Jansenista não sabia que tinha de me consultar.
- Ou então sabia e não quis que a Charlotte partisse tudo o que tinha à mão só para lhe responder.
- Estou muito melhor, sabe?
- O problema é ninguém dar por isso... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:14