Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bomba de Ouro

por Carla Hilário Quevedo, em 29.02.12

Tendência Angelina Jolie - para a noite e também para o dia, n'O Meu iPad Veste Prada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:06

@AngiesRightLeg*

por Carla Hilário Quevedo, em 29.02.12
"What else would explain the magnificence of Angelina Jolie, with her streaming tresses, the two and a half hectares of scarlet lip gloss required to cover her mouth, and, most telling of all, the single, flawless leg that was permitted to emerge from the slit of her long skirt and planted cockily in full view? She was merely doling out the screenplay awards, but her pose bore a definite, don’t-fuck-with-me trace of the gunslinger, and so it was, across the time zones, that a billion people sat there with their hands up: Freeze. I have seen nothing like it, in terms of the power to strike dumb and stupefy, since Jack Nicholson, introducing a tribute to Michelangelo Antonioni, showed the scene from “Zabriskie Point” in which a television set explodes into a thousand angry shards. That was Oscar night, 1994. Those were the days." Anthony Lane, The New Yorker.
 
* E a perna ganhou vida própria no Twitter.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:53

O juiz que lê

por Carla Hilário Quevedo, em 28.02.12

No início da sexta temporada, Dexter comenta, só para nós ouvirmos, que um homem talvez seja capaz de mudar; um monstro, não. Thomas Willmore, juiz num tribunal do Utah, parece ter apostado na primeira ideia ao adoptar uma estratégia original para reabilitar jovens que tenham cometido o primeiro crime. Além da pena de prisão, o juiz Willmore dá livros aos condenados e pede-lhes que escrevam e lhe mostrem uma página ou duas sobre o livro que acabaram de ler. A obra que mais recomenda é, nem de propósito, sobre um caso de reabilitação: «Les Miserábles, de Victor Hugo. Willmore não é ingénuo ao ponto de acreditar que uma pessoa mude de comportamento por causa de um livro, mas as redacções que lhe chegam indicam que a reflexão sobre a própria condição do preso e o acto cometido, que o levou à cadeia, tem efeitos benéficos nalguns criminosos. Parece claro que o que importa não é apenas a leitura feita pelo preso, mas o facto de pensar sobre o que lê, escrevendo sobre si. Ainda por cima, tem como leitor privilegiado aquele que lhe deu a oportunidade de se reabilitar. Tiremos duas conclusões: precisamos de juízes que leiam e não é a leitura que salva: é o estudo.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 24-2-12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:41

...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.02.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:20

...

por Carla Hilário Quevedo, em 27.02.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:16

Ideia para um ciclo de cinema*

por Carla Hilário Quevedo, em 26.02.12

Martin Scorsese’s Film School: The 85 Films You Need To See To Know Anything About Film

 

* E para duas semanas de promoções de DVD na Fnac. Tudo a cinco euros!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:23

Blockbomba

por Carla Hilário Quevedo, em 26.02.12

Contagion (macacos me mordam se não é um filme de propaganda para limpar a imagem da OMS, depois do fracasso da epidemia 'se-acontecer-será-assim' da Gripe A).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:07

Dor de Cabeça: Água da torneira

por Carla Hilário Quevedo, em 24.02.12

Beber ou não beber água da torneira, eis a questão com que o Parlamento se ocupou nos últimos dias. Em Novembro, o Partido Socialista apresentou uma proposta para acabar com as garrafas de água mineral nas reuniões parlamentares. Os motivos tinham que ver com os milhares de garrafas e copos de plástico usados. O Conselho de Administração do Parlamento fez um estudo e alega que seriam necessários 2730 euros «para o enchimento, limpeza, colocação e arrumo dos vasilhames». O cálculo para beber água da torneira incluiu os custos de pessoal e contrasta com os 259,20 euros por mês que custa água engarrafada. Quer isto dizer que a Assembleia não tem cozinha nem funcionários? Se é assim, então como aparecem e desaparecem as garrafas de água e os copos das salas de reunião? Segundo noticia o Público, «o Conselho de Administração também considerou o custo dos jarros em si, avaliados em 4680 euros». Imagino que os bebedouros tenham sido rejeitados por serem mais dispendiosos. Quanto ao orçamento para os jarros, fico a pensar que o terão pedido à Torres & Brinkmann. Faço dois pedidos no sentido de resolver o super-problema. O primeiro é o apelo à capacidade de síntese dos deputados. Já todos assistimos às suas intervenções nas comissões, e sabemos que é possível dizerem o que pensam em menos tempo. A redução do número de horas nas reuniões levará à escassez desejada de gargantas secas. O segundo apelo é dirigido ao bolso e à liberdade de escolha dos deputados. Quem quiser beber água da torneira, é livre de o fazer. Quem preferir beber água engarrafada, pode comprá-la a um preço simpático no bar da Assembleia. Assim, cada um trata de si, enquanto poupa dinheiro aos contribuintes. De nada.

 

Publicado hoje no Metro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:17

Destaque

por Carla Hilário Quevedo, em 23.02.12

A Very Moral Habit

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:52

In the old days, whenever that was...

por Carla Hilário Quevedo, em 23.02.12

... there was an internal injunction to be good. Now the injunction is to be happy, or to be enjoying yourself. Adam Phillips, 2010

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:42

Pág. 1/5