Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



PUB

por Carla Hilário Quevedo, em 31.10.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:45

Outra estratégia

por Carla Hilário Quevedo, em 30.10.12

Por seu lado, o The New York Times anunciou, para 2013, o lançamento de um site de língua portuguesa para o mercado brasileiro. Ainda este ano, a publicação terá uma edição online em chinês. O mesmo princípio adequa-se aos dois sites: uma mistura de artigos originais de colaboradores locais e uma série de artigos traduzidos da edição em inglês. Os motivos são obviamente económicos. O Brasil é uma economia em expansão, mas a concorrência dos media locais será feroz. Ainda assim o NYT aposta no nome bastante conhecido do jornal no Brasil, no número significativo de leitores da edição original para abrir instalações em São Paulo, a par das já existentes no Rio de Janeiro. O investimento no mercado de língua portuguesa compensa porque há consumidores. Há uma parte do mundo que está a começar a poder comprar. É bom saber que há quem possa. Ainda não é por esta zona do globo que vão conseguir vender alguma coisa.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 26-10-12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:57

Tudo é melhor

por Carla Hilário Quevedo, em 30.10.12

Não é verdade que o panorama da imprensa tenha mudado de um dia para o outro, mas é certo que as mudanças se tornaram evidentes num curto espaço de tempo. A crise no sector é conhecida em Portugal, mas não é exclusiva do nosso país. A revista Newsweek deixará em Janeiro de ser impressa em papel e passará a ter edição exclusiva e paga online, embora com conteúdos de acesso livre. Também o grupo que detém o Guardian pondera a hipótese de fazer o mesmo, após ter sofrido perdas no valor de 44 milhões de libras. Pode haver uma solução intermédia, que passa por disponibilizar online conteúdos diferentes dos publicados em papel. Seria uma maneira de ter o melhor dos dois mundos numa só publicação. Seria, sobretudo, uma forma de tirar os conteúdos pagos em papel da concorrência gratuita do online. Na melhor das hipóteses, o online existiria como um meio para a compra do jornal em qualquer formato. Independentemente das decisões, não esqueçamos que há soluções.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 26-10-12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55

Um dia romântico V

por Carla Hilário Quevedo, em 29.10.12

Como diz a Kelly Oxford, if you love this, we could totally be friends.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:19

PUB

por Carla Hilário Quevedo, em 28.10.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:33

Eu hoje acordei assim...

por Carla Hilário Quevedo, em 25.10.12

Brigitte Bardot

 

... outra vez a dormir. Se tivesse tempo, escrevia um longo texto sobre a utilização pirosa e parva da mulher na publicidade sobre cervejas. Percebo a posição de Malomil sobre o tema, mas não concordo. A publicidade em causa é o erotismo dos pobres de espírito. E ao menos aí o strip tease é bem pago.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:34

Um dia romântico IV

por Carla Hilário Quevedo, em 24.10.12

"Like the sailor said, quote, 'Ain't that a hole in the boat?'" não é o verso mais romântico do mundo, mas gosto dele à mesma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:01

My idea of fun

por Carla Hilário Quevedo, em 23.10.12

Com Dorothy Flash Mob e tudo, que maravilha...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:31

Nobel da Paz

por Carla Hilário Quevedo, em 23.10.12

Já muito se disse sobre o Nobel da Paz atribuído à União Europeia. Compreendo o prémio nesta altura, em que o projecto europeu se parece estar a desfazer como um alerta da guerra que podemos vir a ter se a crise financeira e económica da Zona Euro continuar sem solução à vista. Confesso, no entanto, que tinha preferido ver o prémio a ser entregue a uma pessoa. Por exemplo, a Malala Yousafzai, uma rapariga paquistanesa de 14 anos, que, em 2009, denunciou que os talibãs proibiram o acesso das raparigas à escola. Apesar dos riscos, Malala Yousafzai continuou a ir, incentivada pelo pai e por uma pequena comunidade que não aceita as imposições criminosas dos talibãs. Há dias, à saída da escola, foi baleada na cabeça por um extremista. Está viva, mas a sua situação clínica inspira cuidados, por isso foi transferida para um hospital em Inglaterra. Malala Yousafzai não desistiu com a ameaça nem hesitou perante a injustiça. Coragem é isto.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 19-10-12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:29

Banda sonora para Felix Baumgartner

por Carla Hilário Quevedo, em 23.10.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:27

Pág. 1/4