Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"There's Ernie right there"

por Carla Hilário Quevedo, em 12.03.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:45

Um por todos

por Carla Hilário Quevedo, em 12.03.13

Se pensarmos bem, são raros os dias em que Portugal não está de parabéns. Com poucas horas de diferença, tivemos a vitória de Sara Moreira na corrida dos 3.000 metros nos Europeus de Gotemburgo em pista coberta. A medalha de ouro da portuguesa foi logo aproveitada por António José Seguro, que veio dizer que se tratava de uma vitória «inspiradora» para os portugueses. Espero que seja no campo da metáfora. No dia seguinte, ainda mal refeitos da vitória de uma portuguesa (o facto de ter trabalhado muito sabe-se lá em que condições e de ter vencido por mérito seu não interessa), temos a notícia de haver um luso-descendente na Administração Obama. Sim, além do cão de água Bo! Tem sangue lusitano e vai certamente inspirar-nos imenso a fazermos tudo. Chama-se Ernest Moniz, a família é dos Açores, onde viveu em miúdo, fala umas palavras de português, é físico e gosta do cabelo frisado. É o novo chefe do Departamento de Energia. Somos fantásticos.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 8-3-13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:39

La vida loca

por Carla Hilário Quevedo, em 12.03.13

A maior concorrência dos humoristas em Portugal vem dos políticos. Não sei quem disse isto, mas já foi ultrapassado pela sociedade civil. Ainda está fresco o comentário do banqueiro Ulrich, «se os sem-abrigo aguentam, nós (sublinho o pronome) também aguentamos». Não é preciso ser economista para adivinhar que este trágico destino não o espera. Outra grande rábula portuguesa está a ser interpretada por Filipe Pinhal, outro banqueiro, cuja reforma de 70 mil euros baixou para 14 mil. A brutal diminuição de rendimentos despertou a sua consciência sociopolítica, e é agora o líder do Movimento dos Reformados Indignados. O mais recente número cómico foi protagonizado pelo SE da Cultura, Jorge Barreto Xavier, que reafirmou a vontade inabalável do Governo de trazer as produções de Bollywood para Portugal: «Criar plataformas de trabalho para que a produção cinematográfica indiana também nos possa beneficiar». Que a festa continue.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 8-3-13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:37