Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Muitas irmãs

por Carla Hilário Quevedo, em 16.07.13

A série de ficção científica de produção canadiana e norte-americana Orphan Black tem animado os meus dias. A actriz Tatiana Maslany tem sido premiada pela sua actuação polivalente. Sarah Manning é uma órfã rebelde que um dia percebe que é idêntica a uma agente policial que aparece morta em circunstâncias estranhas. Sarah rouba a identidade da sua gémea Elizabeth Childs e com isso consegue enganar o gerente da sua conta bancária. Pensávamos que a história seria sobre uma confusão bizarra de identidade e semelhanças físicas quando aparece mais uma rapariga alemã, idêntica às outras duas. Como três versões não eram suficientes para a confusão, apareceram mais duas, uma mãe instável e uma cientista tímida. Quando pensávamos que tínhamos ficado por aqui, surgiu mais uma igual às outras, loura e violenta. Até agora, é isto. A trama é divertida e possivelmente estaremos perante uma das séries televisivas mais baratas de sempre.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 12-7-13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:17

Ânsia epistolar

por Carla Hilário Quevedo, em 16.07.13

A tutela da troika parece ter despertado um gosto português, embora adormecido, pelas cartas. Primeiro foram as epistolas à troika, de Passos Coelho, de Seguro. Tivemos a carta de Soares a pedir a demissão do primeiro-ministro e, com o mesmo intuito, a carta das 70 personalidades contra Passos Coelho. Há pouco, tivemos as cartas de demissão de Gaspar e depois de Portas. Chegou a hora de perceber esta ânsia epistolar. Num ambiente de desconfiança generalizada, é natural optar por escrever em vez de falar. As palavras ditas sabemos que o vento as leva. Mas as escritas em público ficam. Não é garantia de que não sejam mal interpretadas, mas é uma forma mais definitiva, ou mais resistente à especulação, de deixar a sua marca. Assim ninguém pode dizer que não avisou (a troika), que não exigiu (a demissão de Passos), que não se demitiu (Gaspar e Portas). Saberemos que saímos da crise quando não houver necessidade de as escrever.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 12-7-13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:08