Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cedo demais

por Carla Hilário Quevedo, em 03.09.13

Na passada semana elogiei o actor Benedict Cumberbatch, que conhecemos por Sherlock Holmes na série homónima de televisão, por ter sido fotografado de capuz e óculos escuros a mostrar um papel em que dizia que os paparazzi deviam ir para o Egipto fotografar o que interessa. Teve graça, sem ser politicamente enfadonho. Agora percebo que falei cedo demais. Dias depois do sucedido, Cumberbatch decidiu mostrar a cara e mais umas folhas de papel rabiscadas, desta vez com críticas ao governo britânico a propósito da detenção do parceiro do jornalista do Guardian, Glenn Greenwald, que noticiou o caso Snowden. Tratava-se afinal de uma declaração dividida em quatro páginas, com frases incompreensíveis e demasiado longas. Parecia um sketch humorístico, mais do que uma manifestação séria de indignação. Tenho pena que Cumberbatch não tenha optado simplesmente por falar para as câmaras. Assim ficámos a saber que Sherlock não tem capacidade de síntese.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 30-8-13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:03

Eu hoje acordei assim...

por Carla Hilário Quevedo, em 03.09.13
Christopher Tietjens aka Benedict Cumberbatch

 

... não é comum acordar do sexo oposto, mas abro uma excepção para o glorioso Christopher Tietjens. A percepção que os outros têm de Chrissie é a de que é um homem sentimental. Tudo porque não segue as regras da brutalidade comum, mesmo entre homens da mesma posição social. Prefere que a mulher o engane a ter de a sujeitar a um divórcio, que seria sempre pior para ela do que para ele. Há coisas que um cavalheiro não faz. Por isso, quando se apaixona por Valentine, sofre. Tietjens acredita "na monogamia e na castidade e em não falar sobre o assunto", tem princípios, e sofre terrivelmente quando percebe que há algo mais forte, que não controla, e que põe em causa esses mesmos princípios. Não ama Sylvia, mas tem de fazer o que está certo. Resta saber o que é "fazer o que está certo" quando não há amor. Tietjens é uma espécie de caricatura o tempo todo, apesar de adorável, encantador. De que valem os princípios quando não estão acompanhados das emoções e dos sentimentos? "Fazer o que está certo" por vezes não é suficiente. Tietjens é uma caricatura até à cena final, em que por fim se torna inteiro, com uma pequena ajuda de Sylvia e Valentine.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:22