Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Beijinhos

por Carla Hilário Quevedo, em 10.09.13

The Bridge é uma série produzida pela Fox que começou em Julho em Portugal, com estreia simultânea nos Estados Unidos. Não me queixo, mas acho que o facto inédito de ser transmitida pelos três canais da Fox (Fox Crime, Fox Life e Fox) é exagerado. Estou a gostar muito e recomendo. A série é a versão americana de uma outra com o mesmo título com co-produção dinamarquesa e sueca. Ambas as versões começam com o aparecimento de um cadáver mesmo na linha da fronteira. No caso original, na ponte que une a Dinamarca e a Suécia. Na série que estamos a ver, entre os Estados Unidos e o México. Não duvido da qualidade da versão nórdica. Sou fã do The Killing original. Mas há, sem dúvida, um valor acrescentado na versão americana que se desenvolve nas lendárias e violentas cidades de Juarez, no estado de Chihuahua, e El Paso, no Texas, à distância de um disparo de revólver 38 do Novo México. Não sei o que fizemos para merecer este óptimo presente nos meses tórridos de Verão, mas o meu sincero obrigada.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 6-9-13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:41

Um bordel em Amesterdão

por Carla Hilário Quevedo, em 10.09.13

A discussão sobre os piropos, iniciada por duas militantes do Bloco de Esquerda, deverá cair em breve no esquecimento. Mas antes há que esclarecer que o debate aconteceu não por haver um desejo incontrolável de legislar sobre as palavras dos outros, contrariando o princípio da liberdade de expressão, mas por um desabafo irreprimível de quem está cansado de ser importunado na rua com ordinarices. As militantes estão de parabéns porque conseguiram que não se falasse de outra coisa. No meu entender, não há motivo para preocupação. A crise está a acabar com a construção civil em Portugal e os homens estão mais habituados a conviver com o sexo oposto, até com o sexo oposto mais giro. E o convívio civiliza. Há que ter calma e não querer viver num mundo que não existe, sem ordinários nem militantes do Bloco de Esquerda. Prefiro viver com todos (com a saudável distância) em liberdade do que habitar num mundo limpo como um bordel em Amesterdão.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 6-9-13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:36