Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Hippo, Hippo... Hurray!

por Carla Hilário Quevedo, em 01.06.15

CHQ156.jpg

App CameraBag com filtro Lolo

 

Há meses que esperava da visita de uma criança numa estação do ano em que fosse mais agradável fazer a visita guiada do Hippo Trip. Durante o Inverno, é complicado organizar uma viagem pela cidade que acaba no meio do rio Tejo, mas não é impossível, uma vez que se pode fazer a visita nos 12 meses do ano, faça chuva ou faça sol. Mas com sol é mais agradável, por isso esperei. Sabia que o programa seria divertido para um miúdo de cinco anos e não me enganei. E tinha a certeza de que seria interessante para os quatro adultos. Na verdade, os adultos estavam tão entusiasmados como a criança com a perspectiva de andar num autocarro que a dada altura entrava na água e se “transformava” em barco. Admito que não fiz nada para disfarçar a minha excitação.

 

O primeiro passo foi canja. A compra dos bilhetes no site hippotrip.com demorou menos de cinco minutos. A partir daí restava esperar ansiosamente até ao dia e a hora em que embarcaríamos no transporte anfíbio colorido. Era uma visita guiada que prometia imenso, sobretudo por causa da originalidade do transporte que permite andar em terra e na água. Depois da visita feita, devo dizer que excedeu as expectativas de criança e adultos.

 

O primeiro elogio vai para a generosidade da duração. O que à primeira vista parecia ter sido um bocadinho caro, acabou por se tornar um valor mais que justo para o que é oferecido. São 90 minutos de viagem com guia pela zona mais emblemática da cidade, partindo da Associação Naval de Lisboa, na Doca de Santo Amaro, e pelo rio Tejo, passando pelo Padrão dos Descobrimentos e a Torre de Belém. O ponto de partida é também o local onde a viagem acaba. O segundo elogio vai para a alegria e o profissionalismo da equipa. É certo que só o veículo monstruoso, um autocarro mais alto do que os normais, com uma hélice e bóias na parte traseira, dá logo vontade de rir. Acontece-me muitas vezes sorrir quando vejo um destes anfíbios no meio do Marquês de Pombal. O terceiro elogio vai para a informação dada na visita pelo guia. A cidade é mostrada de um modo informal, com o relato de episódios divertidos sobre pormenores de Lisboa, como o primeiro elevador num edifício, onde está agora a loja da Prada, que suscitou tanta curiosidade que as pessoas faziam fila para andar para cima e para baixo; ou um episódio sobre a construção do Cristo-Rei que explica a razão por que a estátua não é tão alta como esteve previsto.

 

O momento alto da viagem é o da entrada do autocarro na água. A expectativa é enorme e a sensação acaba por ser desconcertante, como se naquele instante as leis da física ficassem em suspenso e nos impedissem de ir ao fundo. Não ficam, obviamente. O veículo é um barco, cheio de espuma por baixo, que faz com que nos mantenhamos à tona com à-vontade. Também no rio, a visita é generosa. Ali ficámos durante cerca de meia-hora, num passeio descontraído. À nossa frente estavam a Lola e a Alegria, os outros dois autocarros-barcos do Hippo Trip.

 

Além de tudo, foi bonito ver a cidade a ser apresentada a locais e a turistas. É bom por vezes ver melhor e de outro ângulo o que imaginamos conhecer bem.

 

Publicado na edição de hoje do i

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:52