Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dos Antigos

por Carla Hilário Quevedo, em 24.06.15

Bonheur_Matisse.jpg

Henri Matisse, Le bonheur de vivre, 1905

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:10

Joguinhos mentais

por Carla Hilário Quevedo, em 24.06.15

O Guardian pergunta porque é que Putin chega sempre tarde às reuniões e obviamente não responde. Faz, apesar disso, um balanço divertido sobre o hábito horrível de nunca ser pontual. Não se trata apenas de uma questão política. Já a primeira mulher se queixava que já no namoro que Putin se atrasava. Quando ficava uma hora à espera desatava num pranto. Mas nos encontros políticos é possível intuir uma hierarquia no atraso. O presidente da Ucrânia esperou quatro horas. John Kerry, três. Podíamos arriscar e dizer que a personalidade mais respeitada por Putin é a Rainha de Inglaterra, que só esperou 14 minutos, mas o contrário também pode estar certo. Não é politicamente relevante. Não merecia o exercício de poder de obrigar a esperar. O Papa Francisco esperou 50 minutos, o que sobe o grau putiniano de (des)consideração. Não há notícia de personalidades que tenham desistido de esperar. Ainda não nasceu o homem ou a mulher que o mande à fava.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 19-6-15

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:58

Solteiros e casados

por Carla Hilário Quevedo, em 24.06.15

Li um artigo no Telegraph com o título enganoso "o casamento é mais benéfico para os homens do que para as mulheres". Nada que não saibamos. Na verdade, a novidade, se é que lhe podemos chamar novidade, é ter sido estatisticamente provado que o celibato é mais perigoso para os homens do que para as mulheres. Não vamos incluir neste grupo os homens com perturbações obsessivas-compulsivas nem hipocondríacos, porque sabem tratar deles. Os outros parecem-me mais vulneráveis às idas e vindas da depressão e da euforia nas mais variadas temáticas, sejam gastronómicas, existenciais, laborais ou de ocupação dos tempos livres. As mulheres sozinhas, por seu lado, não são assim tão diferentes das suas congéneres casadas. Mais filho, menos filho, mais ou menos namorado, é mais ou menos a mesma coisa. É por isso que o texto mencionado não tem o título certo. Não é que o casamento seja melhor para os homens. O problema é não saberem lidar com o celibato.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 19-6-15

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48