Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Uma excelente campanha

por Carla Hilário Quevedo, em 02.11.15

Loja de Porcelana CHQ 2-11

App CameraBag com filtro Instant sobre pormenor da Adoração dos Magos, de Domingos Sequeira, 1828

 

“Já viste como está hoje o Sequeirinha?”, pergunta uma amiga com graça. O “Sequeirinha” é o nome carinhoso dado a Domingos Sequeira, pintor português nascido em Lisboa na segunda metade do século XVIII, mais concretamente à obra “Adoração dos Magos”, com data de 1828. O Museu Nacional de Arte Antiga, em conjunto com o jornal Público, a Direcção-Geral do Património Cultural e o Governo, num esforço original e patriota, iniciou uma campanha de angariação de fundos para a aquisição desta obra. Tem como parceiros a agência de publicidade Fuel, a Fundação Millenium BCP, a RTP, entre outros.

 

A “Adoração dos Magos” custa 600 mil euros, um valor que se mantém há 15 anos, segundo explicou ao Público o Director do MNAA, António Pimentel. A obra pertence a uma família que insiste que o quadro deve permanecer em Portugal e que a sua casa natural deve ser o Museu Nacional de Arte Antiga, que conta com 45 obras de Domingos Sequeira na sua colecção. Desde 2009 que o proprietário do quadro está à espera de o vender ao MNAA, tendo assim mostrado que prefere aguardar a ver a obra sair do país. Podemos facilmente imaginar os motivos que terão levado o Estado a não participar nesta compra durante os anos muito difíceis que o país atravessou. O caso pessimamente gerido das obras de Joan Miró, pagas de várias maneiras pelos contribuintes, contribui para uma opinião muito desfavorável sobre a actuação da Secretaria de Estado da Cultura, pouco hábil e nada imaginativa em tempos de crise.

 

A campanha de crowdfunding intitulada “Vamos pôr este Sequeira no sítio certo!” é uma lufada de ar fresco num meio paralisado pela falta de alternativas ao Estado. António Pimentel disse ao Público: ““Os museus não podem ficar à espera que os governos aumentem as verbas para fazerem crescer as suas colecções. Muito menos em tempos de crise. Se o fizerem, ficarão permanentemente reféns. Têm de procurar alternativas”. Esta procura de alternativas é feita noutros museus do mundo com orçamentos para compras, coisa que o MNAA não parece ter. Não se trata de o Estado se demitir dos seus deveres, sobretudo no que diz respeito à preservação do património, mas de deixar que os museus tentem também arranjar verbas pelo seu lado.

 

Para ser mecenas da obra de Domingos Sequeira, basta entrar na página patrocinar.publico.pt e adquirir pixels da obra, quer deixando que o seu nome figure na lista de patrocinadores ou fazendo donativos no anonimato. Os valores podem ser fixos, de 3€, 6€, 12€ até aos 600€, por 50 pixels, 100, 200 ou 10.000 respectivamente. Pode também fazer doações de outras quantias. Se fizer uma doação a partir de 20€, terá acesso gratuito à exposição “Vamos pôr o Sequeira no lugar certo” no MNAA até à data final da campanha, a 30 de Abril de 2016. Quanto mais alto for o donativo, mais benefícios haverá, além dos fiscais atribuídos a mecenato. É só uma questão de ler o regulamento.

 

Há dias, liguei para o MNAA para fazer uma pergunta acerca do funcionamento do site e fui atendida com profissionalismo. Incluo neste “profissionalismo” o entusiasmo e a alegria na resposta. Só por isso, vou patrocinar mais uns pixels. O Sequeirinha é nosso!

 

Publicado na edição de hoje do i

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:18