Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



De mentira em mentira

por Carla Hilário Quevedo, em 04.11.15

Ninguém minimamente informado acredita na afirmação de Benjamin Netanyahu sobre ter sido o mufti Haj Amin al-Husseini a influenciar Adolf Hitler acerca do extermínio dos judeus. No Daily Beast, Jay Michaelson tentou explicar as razões da afirmação. Além da justificação inevitável de ter sido «citado fora  do contexto», um clássico que raramente convence, o autor diz-nos que se trata de uma mentira anti-árabe simétrica à negação anti-semita do Holocausto feita pelos suspeitos do costume, como Abbas, os iranianos, Arafat, políticos da extrema-direita francesa, etc. A sua veracidade não é histórica mas apenas política no sentido populista da palavra. Se bem percebi aquilo que Jay Michaelson descreve, radicais de um lado e do outro combatem mentiras hiperbólicas com outras de tamanho idêntico. No fundo, trata-se de uma discussão demagógica em que só interessa saber quem conta a maior mentira. Será verdade que é mesmo disto que os povos gostam?

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 30-10-15

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:29

Justiça para todos

por Carla Hilário Quevedo, em 04.11.15

Li a avaliação intercalar da autorização do serviço Hot TV feita pela ERC. Fiquei contente por saber que o canal cumpre os horários e que os tempos para a publicidade são correctos. É, no entanto, inconcebível que a exibição de filmes eróticos europeus esteja abaixo do exigido pelo artigo 45 da LTSAP (Lei da Televisão e Serviços Audiovisuais). Como se esta infracção fosse pouco, a Hot TV não chega a cumprir a exigência mínima de produção em língua portuguesa estipulada no artigo 46. Não chega a 10% de oferta de porno autóctone! O relatório foi assinado por Arons de Carvalho, que não me deixa mentir. Não é o sítio nem a hora de dar a minha opinião sobre os conteúdos, de resto péssimos. Porém, nunca é demais defender a produção nacional. Um dado omitido pelo relatório diz respeito aos profissionais da dobragem. Tudo leva a crer que estarão a ser prejudicados. Onde estão agora aqueles que tanto defenderam as dobragens para filmes estrangeiros?

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 30-10-15

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:26