Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dos Modernos

por Carla Hilário Quevedo, em 18.11.15

12274417_1062391190451587_4661403306130327232_n.jp

Peter Martensen, Strange Day,  2014

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:58

All you need is love

por Carla Hilário Quevedo, em 18.11.15

Uma simples alteração no Twitter causou grande stress aos utilizadores durante umas horas. A mudança de uma estrela para um coração fez com que várias pessoas manifestassem o seu desagrado perante a mudança de ‘favoritar’ tweets (do inglês favorite) para ‘amar’ tweets, ou seja o que for que quer dizer o coração. Os receios pareciam estar relacionados com algum mal-entendido que pudesse surgir ao colocar um coração no tweet de alguém. É possível que seja uma dúvida muito portuguesa. Emily Bell, no Guardian, interpreta esta mudança como uma preocupação similar à do Facebook, que anda a estudar uma série de emojis para diversificar a expressão de emoções na rede social, além do like. Diz Bell que o Twitter sabe que os bons sentimentos são mais rentáveis do que o conflito, daí a escolha do coração como meio de mostrar afinidade. Talvez os corações ajudem a reduzir os níveis de belicosidade no Twitter. Alguém há-de ganhar dinheiro com a paz. 

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 13-11-15

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:53

É razoável

por Carla Hilário Quevedo, em 18.11.15

A OCDE fez um estudo sobre o consumo de álcool no mundo. O estudo não é grande coisa mas fornece algumas informações curiosas no meio de outras que são apenas inúteis e imbecis. Por exemplo, em último lugar das nações estudadas com um consumo de zero litros anuais por pessoa encontramos a Indonésia. Surpreende-me que se tenham dado ao trabalho de estudar o consumo de álcool num país com a maior população muçulmana do mundo. Se tivessem descoberto que a média era de um litro por pessoa, isso sim seria notícia. Para compensar, há outras informações engraçadas. A população masculina tende a beber mais quanto melhor lhe corre a vida. Com as mulheres é ao contrário. Também gostei de saber que as percentagens maiores de consumo pertencem à Estónia, à Áustria e à Lituânia e que na verdade só são alcançadas por 20% da população que bebe. Quer isto dizer então que num jantar onde estiverem dez pessoas, só duas ficam realmente perdidas de bêbedas.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 13-11-15

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50