Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Coisas que melhoram algumas vidas (145)

por Carla Hilário Quevedo, em 13.01.17

15937177_10157897249135315_5146921409391259422_o.j

Já nas livrarias!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:26

Um homem

por Carla Hilário Quevedo, em 13.01.17

Obama tomou decisões erradas, falhou muitas vezes e é possível que tenha cometido um erro atroz na guerra da Síria, ao não intervir quando devia. O próprio reconheceu falhas. Errou também quando investiu sobretudo em empresas tecnológicas e se esqueceu das pessoas menos qualificadas para a nova realidade. Disse há dias que teria ganho as eleições se pudesse ter sido o candidato. Perdeu uma boa ocasião para estar calado, porque de facto também foi derrotado. O envolvimento de Obama na campanha de Hillary Clinton foi total, o que faz de ambos igualmente perdedores. 

 

Também fez o que pôde e o que o deixaram fazer. Tirou os Estados Unidos de uma recessão profunda em 2008 e deixa um país próspero. Não sei até hoje em que consiste o Obamacare, por isso prefiro não me pronunciar, mas já Clinton tinha apontado falhas que precisavam de ser corrigidas. Porém, não sei se é muito americano ter cobertura de saúde garantida. 

 

Obama não foi o que muitos esperavam. Por mim, superou todas as expectativas. Ajudou nunca o ter visto como um "messias". Respeitar uma pessoa passa por não a pôr num pedestal. O que vejo em Obama é uma constância na sua vida que me inspira alegria, paz e confiança. Foram oito anos sem escândalos, sem casos extraconjugais ridículos, sem histórias de corrupção. Deu dignidade ao cargo, o que não é coisa pouca. E depois não se pode negar que se trata de um homem inteligente, moderado e cool, com grande eloquência e intuição e que parecia fazer tudo bem, mesmo quando as coisas não corriam assim tão bem. Por isso, falam em Obama e penso num homem. Falam em Trump e penso numa caricatura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:52

Chorar perdidamente

por Carla Hilário Quevedo, em 13.01.17

A choradeira tem sido mais que muita nos últimos dias, por causa da despedida de Barack Obama. É normal: o que vem aí é aterrador de tão mau. Gostei do que Alec Baldwin disse sobre o discurso de Meryl Streep nos Golden Globes. A actriz não se referiu ao modo inaceitável como Trump falou das mulheres, mas mostrou como as mulheres, muitas pelo menos, vêem esta eleição: com uma mistura de tristeza, revolta e desolação. Na verdade, Trump confirmou receios e, o pior de tudo, conseguiu que o seu "discurso" misógino e de divisão fosse legitimado pelo voto. Pode ser tudo "só política", manipulação básica de partes da população que se sentem mal e por isso acreditam que têm razão (e que a culpa do seu mal-estar é dos outros), mas o que é certo é que Trump ganhou. Por mim, fico à espera que desapareça de cena. Até lá, bloqueei o nome 'Donald Trump' no Twitter, além da conta. Cada um sobrevive como pode.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:17