Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Diário estival (18)

por Carla Hilário Quevedo, em 28.08.17

- Corrijo de novo, baseada no que disse o Ricardo Araújo Pereira no Governo Sombra: os blocos de actividades foram mesmo retirados do mercado, após a recomendação da CIG. Não tenho tempo para comentar com pormenor esta entrevista de Teresa Fragoso, mas educar não consiste em impedir que as pessoas pensem de uma determinada forma. E não sejamos inocentes ao ponto de pensar que as pessoas são um produto daquilo a que foram expostas na infância. Não parece, mas é uma ideia optimista. Educar é explicar e repetir; às vezes esperar que passe um interesse que parece pouco saudável e, em geral, é preciso ter paciência. Proibir impede a explicação. Proteger nem sempre é positivo. E, acima de tudo, nunca se escolhe um livro por causa da capa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:10

Diário estival (17)

por Carla Hilário Quevedo, em 26.08.17

- Gostei de ler este post de uma pessoa que trabalha na Porto Editora, sobre a polémica dos livros de actividades para rapazes e raparigas. Aproveito para corrigir o que escrevi: a comercialização dos livros foi suspensa (ou seja, não houve livros retirados do mercado).

- Há "palavras pesadas" a circular com uma insistência nunca vista. Há imensa gente nas redes sociais - a viver literalmente no Twitter e no Facebook - que está completamente viciada na indignação e que se considera a mais digna representante dos injustiçados e oprimidos. Só tenho a dizer que se fosse uma causa, não quereria ser defendida por estas pessoas. Não lêem e por isso não sabem ler, não têm conhecimento - por isso se indignam com tudo -, na maior parte das vezes são ignorantes profundas e em muitos casos não passam de analfabetas. Jogam com um sentimento de perda ou de injustiça e manipulam sobre a emoção. O resultado disto é termos problemas graves (racismo, sexismo), com consequências sérias na vida das pessoas, reduzidos ao ridículo. Se tudo é um problema, então nada é importante.

- Divertido este cartoon de Julia Suits.

DH8VTwQXgAEtl_q.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:08

Diário estival (16)

por Carla Hilário Quevedo, em 25.08.17

- Confesso que a polémica a respeito dos livros de actividades da Porto Editora, agora retirados de circulação, não me atrai tanto quanto a do memo armado em descoberta científica de James Damore, a vítima despedida da Google por ter defendido a "tese" de que é a biologia que afasta as raparigas da engenharia informática. Não era preciso ler mais nada daquele manifesto cobarde - sim, o medinho é real - mas houve muita gente a ir naquela conversa. Vêem um gráfico e acreditam logo no poder dos astros.

- Sobre os livros, não me choca o cor-de-rosa nas meninas e o azul nos rapazes, e o facto de o exercício do labirinto ser mais fácil para as raparigas é só tolo. Como bem lembrou o Bruno Vieira Amaral, "se não fosse Ariadne, Teseu teria sido comido pelo Minotauro". Acho esquisito haver livros de actividades diferentes para meninos e meninas, mas a Porto Editora é uma empresa privada (que eu saiba) que toma as suas decisões baseadas naquilo que julga serem as exigências do mercado. As pessoas deixam de comprar os livros e acabam as edições. Esta é a maneira certa, e de resto profunda, de resolver o assunto. Por isso, não posso concordar de maneira nenhuma com a intervenção do Governo nesta questão. É um péssimo antecedente.

- Gostei de ler este artigo de Helena Garrido. 

- A minha experiência de brincadeira não obedeceu a nenhum critério. Brinquei com bonecas, carros e carrinhos e adorava legos. Um dos meus grandes amigos de infância brincava com bonecas comigo e com a irmã dele. Nunca nenhum adulto nos impediu de fazermos o que nos apetecia (não éramos delinquentes; só crianças). Só me lembro de a minha avó me dizer que era feio as meninas assobiarem. Amei-a profundamente e nunca lhe obedeci.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:28

Diário estival (15)

por Carla Hilário Quevedo, em 24.08.17

- Há personagens em Ray Donovan que me despertam compaixão. É uma grande série e pouco falada. 

- É triste assistir ao desaparecimento de títulos na imprensa a que nos habituámos desde sempre, mas a verdade pura e dura é que a imprensa escrita e em formato de papel tem cavado a sua própria sepultura aos poucos. Com excepções de sucesso, e havendo obviamente bons profissionais em todo o lado, as decisões tomadas não têm sido eficazes para sustentar a existência de jornais e revistas em papel. Primeiro houve quem tivesse a brilhante ideia de disponibilizar conteúdos na net de graça. Ora, por que diabo hei-de eu comprar o que me oferecem de graça? Também a qualidade caiu a pique e ninguém está interessado em comprar um jornal ou uma revista que insiste em temas idiotas que acabámos de ver no Facebook ou que analisa crises nacionais e internacionais a partir de timelines. É uma espécie de elitismo em pobre. Peço desculpa pela sinceridade, mas só me surpreende que tenham durado tanto.

- Deve haver muita gente no meio deslumbrada com números de visualizações e viciada em likes. Porém, na maior parte dos casos, trata-se de uma ilusão de interesse da parte dos "leitores". É grátis pôr um like e não significa nada. Se dedicar o meu tempo ao Facebook, com posts e comentários, terei muitos likes. Ganha popularidade quem investe mais. Achar que há consequências financeiras desta atenção é uma ilusão. Na maior parte dos casos, não há.

- Muitos utilizadores das redes sociais e "leitores" estão viciados em caixas de comentários. Ainda não percebi bem o que querem estas pessoas e de que doença exactamente padecem. Recomendo pragmatismo. Compram jornais? Assinam as edições online? Aposto que não. Até porque passam o dia a trocar insultos, vá-se lá saber sobre o quê. Gostei de ler este artigo de António Guerreiro sobre as caixas de comentários nas edições dos jornais online.

- Concluindo por agora, pois obviamente há muito mais a dizer, a imprensa escrita cometeu erros graves e arriscaria dizer que muito por vaidade. Quis competir pela atenção com meios "gratuitos", como blogues e redes sociais, e perdeu o foco do negócio. O que esperavam que acontecesse? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04

Diário estival (14)

por Carla Hilário Quevedo, em 23.08.17

- Infelizmente, não consegui ver a série alemã que foi transmitida na RTP 2 sobre a Segunda Guerra Mundial. Vi o primeiro episódio e não consegui ver mais. Tenho pena, mas é demasiado violenta para mim. 

- Nas conversas sobre doenças e pessoas que morrem prematuramente, há que estabelecer um limite. "Podes contar duas histórias horríveis. Mais não." É uma questão de educação e não temos tempo suficiente de vida para nos dedicarmos com tanto empenho à desgraça.

- Por falar em doenças, o meu interesse no tema é teórico e linguístico. Ajuda ter um interlocutor que está sempre disponível para falar de Medicina e para esclarecer as minhas dúvidas terminológicas. Fiquei a saber que há uma diferença entre "sintomas" e "sinais". Uma dor de cabeça pode ser um sintoma de uma doença, mas uma perna inchada é um sinal. O diagnóstico é o resultado desta conjugação de sintomas e sinais (e síndromes, em certos casos). Abusando de Freud, às vezes uma dor de cabeça é só uma dor de cabeça. 

- Lembro-me há uns anos de ter dito ao meu pai que a melhor droga do mundo era o Valium e de ter olhado para mim, não com a surpresa dissimulada que existe na maioria das pessoas, mas como se estivesse a pensar na sua lista de medicamentos preferidos. Falámos brevemente sobre a aspirina, claro, e sobre os milagres da cortisona. E no fim deu-me razão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:28

Diário estival (13)

por Carla Hilário Quevedo, em 22.08.17

- Bonnie Tyler a cantar "Total Eclipse of the Heart" num cruzeiro durante o eclipse solar é a fasquia da piroseira a subir rapidamente, logo a seguir ao terço iluminado de Joana Vasconcelos em Fátima.  

- Divertida foto de David Burnett de crianças no Kentucky a verem o eclipse. É certo que até o pateta do Trump fica bem com aqueles óculos.

trumpmelaniabarron.jpg

- Na mais recente edição da New Yorker, Louis Menand, que é (além de tudo o que intuímos a partir da sua nota biográfica) um freudiano ou simpatizante ou ex-analisado ou analisando, desmonta com muita paciência a tese de um ex-freudiano ressentido, Frederik Crews, professor emérito da Universidade de Berkeley. O ataque de Crews às teorias de Freud baseia-se, muito resumidamente, na demonstração de incoerências na vida de Freud como provas de fragilidade no seu pensamento. Crews terá cedido à estupidez (ou terá sido um impulso?) de atacar Freud por supostamente estar sob o efeito de cocaína quando escreveu o célebre primeiro ensaio sobre a Interpretação dos Sonhos, como se isso invalidasse um acto fundador da psicanálise. A ênfase está, precisamente, em "acto fundador". A criação original, passo a redundância, é confusa, mal amanhada, incoerente em si mesma. Por conseguinte, é irrelevante o estado em que estava o criador. Também fiquei interessada em pelo menos dar uma vista de olhos às duas primeiras edições do DSM, depois de saber que foram compostos por freudianos que fugiram para os Estados Unidos. É a partir da terceira edição que o DSM começa a classificar quase todos os comportamentos humanos como perturbações ou potencialmente problemáticos.

- O episódio de ontem de Game of Thrones foi criticado no Twitter por espectadores exigentes. Por mim, Game of Thrones está perfeito, agora que sabemos que, afinal, ficava tudo ali tão perto. Da Muralha até à zona gelada a Norte da Muralha é uma corridinha e de Dragonstone (que sítio deslumbrante) a Kingslanding é como da Costa da Caparica à Baixa. Brienne of Tarth chega de certeza  para a semana a Kingslanding (Lisboa) vinda de Winterfell (Porto). Vai ser rápido, vão ver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:16

Diário estival (12)

por Carla Hilário Quevedo, em 21.08.17

- Bom obituário de Jerry Lewis, que foi mais amado em França do que nos Estados Unidos.

- A propósito de um tweet de Obama há dias, na sequência dos acontecimentos em Charlottesville, citando Nelson Mandela, lembrei-me de uma canção de South Pacific, de Rodgers e Hammerstein, que já tinha passado por aqui há uns anos. Entretanto descarregaram este vídeo no YouTube, com Oscar Hammerstein a apresentar o tema. Há quem acredite que nascemos a odiar quem é diferente de nós. É uma ideia que não dá hipótese a ninguém de nada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:47

Diário estival (11)

por Carla Hilário Quevedo, em 20.08.17

- O melhor conselho de todos os tempos não nos chega de um passado longínquo, não foi Séneca que inventou, nem Emerson que recuperou nem existe, creio eu, em nenhum livro de auto-ajuda. O melhor conselho apareceu na internet. Já existia na época áurea dos blogues, sobretudo por causa das caixas de comentários, e continua mais vivo que nunca nas redes sociais. O conselho é "don't feed the trolls". Nunca o fiz, mas apenas por uma questão de temperamento. Não penso que tenha mérito neste caso.

- Também gosto muito da velhinha advertência no portão do jardim: "cuidado com o cão". É prima de "don't feed the trolls". Edward Steed, o cartoonista mais punk da New Yorker, uniu os dois apotegmas num desenho. 

DHnItYgXoAA0uyt.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:35

Diário estival (10)

por Carla Hilário Quevedo, em 19.08.17

- A Nike bem tenta vender as suas sapatilhas para ioga, barra de chão ou pilates, mas não me convencem. Os comentários não são nada favoráveis. Os australianos percebem melhor do assunto: este modelo é comprovadamente excelente e este é lindo de morrer. Interessante a nota biográfica do fundador, Jacob Bloch.

- Gostei muito deste vídeo da New Yorker com a despedida de Diana Vishneva do American Ballet Theatre. Mais do que das performances espectaculares, gosto de ver os vídeos dos treinos, onde percebemos o processo, as tentativas e os erros. É neste processo que existe novidade e frescura. A conclusão, o dia de estreia, aquele momento em que tudo sai bem ou mal à frente de toda a gente, nada mais é do que uma coisa experimentada mil vezes. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:14

Diário estival (9)

por Carla Hilário Quevedo, em 18.08.17

Pauline Hanson, líder do partido de extrema-direita australiano, usou uma burka no parlamento para defender a proibição desta vestimenta no país. Estou completamente de acordo com a intenção e com a forma de combate. Pensava que experimentar o incómodo de conviver com uma pessoa que não se dá a ver falaria mais alto. Mas a reacção foi uma espécie de reprimenda do procurador-geral George Brandis: "To ridicule that community, to drive it into a corner, to mock its religious garments, is an appalling thing to do and I would ask you reflect on what you have done". Trata-se de um puxão de orelhas ignorante, porque a burka não é um símbolo religioso, mas uma vestimenta tribal, usada e tolerada por facções muçulmanas extremadas e radicalizadas. Tolerada também por ignorantes e indiferentes em geral.

- Descendentes directos de Robert E. Lee, Jefferson Davis e Stonewall Jackson vieram a público apoiar a retirada das estátuas dos generais confederados. Numa primeira leitura desta controvérsia tão interessante, parece pacífico que devam passar a estar em museus. Não se trata de negar a história, mas basta pensarmos na famosa queda da estátua de Saddam para percebermos que os símbolos têm importância. Pormenor relevante: por enquanto, não há uma guerra civil nos Estados Unidos. Um modo de a evitar pode ser fazer com que a lei seja cumprida, reprimindo a violência da multidão: "The issue is whether the decision to remove municipal property is done with due process and certainly not via the actions of a violent mob." Gostei de ler este artigo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:42

Pág. 1/2