Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Carla Hilário Quevedo, em 17.12.03
Basta a menina dizer "ai que 'pais Natal' não me soa nada bem" que aparece logo uma catadupa de mensagens com explicações. Obrigada a todos. Cá vai a explicação da cacilda que acaba com todas as dúvidas possíveis e imaginárias.



"Tens toda a razão. Não se percebe o plural "pais natal" porque esse não é o plural correcto. A morfologia e a sintaxe explicam tudo, tudinho! Ora, Pai Natal só há um, como toda a gente sabe, mas pais natais há muitos, e nisto todos concordam. Estamos, pois, perante uma substantivo comum quando falamos do pai natal do Colombo e perante um nome próprio, quando falamos do The One and Only, e, neste caso, nada de pluralizá-lo. No que respeita ao substantivo comum "pai natal", trata-se de uma palavras estruturalmente (ou morfologicamente, como preferires) composta morfo-sintáctica. É composto porque, vê bem, só consegues designar "pai natal" utilizando as duas palavras "pai" e "natal" (se o chamares só de pai, ele não percebe, tal como se o chamares só de natal). Existem, pois, compostos morfo-sintácticos com variadíssimas estruturas (nome + adjectivo (ex: director-geral), nome + complemento preposicional (ex.: chefe de estado) etc.). Este de que falamos tem uma estrutura do tipo nome comum + nome comum... BINGO! Como bons substantivos comuns que são os dois constituintes que formam a palavra-mãe, se falamos de vários, temos de pluralizá-los! Tens alguns exemplos do mesmo género que estão atestados no dicionário ("pai-avô = pais-avôs", "tia-avó = tias-avós" etc.) Pronto, "pais natais"."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:03