Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Acabo por perdoar

por Carla Hilário Quevedo, em 23.09.08

 

Não fui ao concerto de Madonna porque – permitam-me a franqueza – já não a suporto. Acompanhei a sua carreira desde o início, vibrei com o trabalho e o sucesso, e admirei a sua dedicação, disciplina e concentração. Tem a capacidade de surpreender sempre que aparece com um disco novo e gosto genuinamente do que faz. Mas não a aguento. Para tentar perceber a razão desta forte dualidade de afectos revi alguns vídeos antigos da cantora. E percebi. Nos últimos quatro a cinco anos Madonna perdeu o humor, além de ter desistido de se apresentar como um ícone sexual – o que não seria importante se a cantora tivesse conseguido manter a graça manifesta em temas como Erotica, Hanky Panky ou Bye Bye Baby. Mesmo que no seu caso fosse difícil separar o sexo do humor, a verdade é que ambos desapareceram para dar lugar a mais aborrecida contestação política. Madonna, ao abdicar do sexo – e era preciso? – aniquilou o seu talento para a comédia. Ninguém se queixa. E quanto menos exigente for o público, mais xaropes de imagens sobrepostas de McCain e Hitler tem de engolir pela boca abaixo. Como prefiro rever Madonna sexy e com graça, vou ao YouTube em vez de ir à Bela Vista.

 

Publicado na Tabu, Cinco Sentidos, 20-08-08.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:53