Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Carla Hilário Quevedo, em 06.04.03
Ideia da semana: a Síria está a pedi-las!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:02

...

por Carla Hilário Quevedo, em 06.04.03
What's up with that?



Na TVI, está um jornalista Nuno Carvalho, em Bagdade, com um pano palestino enrolado ao pescoço. O jornalista claramente não percebe o significado do paninho. Será que pensa que está giro?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:44

...

por Carla Hilário Quevedo, em 06.04.03
Uma das actividades menos interessantes desta vida é ir ao supermercado. Mas hoje aconteceu-me uma coisa engraçada. Quando a rapariga da caixa acabou de fazer a conta, virou o mostrador na minha direcção e disse: "São 680 euros..." Como acho que nunca é nada comigo, limitei-me a responder: "É uma senhora conta..." Onde fui eu buscar tal frase? Num brevíssimo momento de pânico bem disfarçado, decido confirmar os dados no mostrador. Indico de imediato o culpado: "Rabanetes a 544 euros?" Mas há coisa mais divertida do que estar vivo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47

...

por Carla Hilário Quevedo, em 06.04.03
O Pedro Robalo elogiou-me no seu blogue, de nome o complot. O elogio do Pedro tem um valor acrescentado porque, como o próprio diz, não me conhece. Talvez seja mais fácil elogiarmos os nossos amigos. Ou talvez não...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:38

...

por Carla Hilário Quevedo, em 06.04.03
Pensar pela própria cabeça



Costumam dizer que duas cabeças pensam melhor do que uma, que quantas mais cabeças a pensar melhor e coisas do género. Depende das cabeças. Se tivermos o Miguel Ângelo dos Delfins, o Luís Osório e o Vasco Pulido Valente a pensar em conjunto, talvez este último desapareça misteriosamente logo no início da reunião, ou nem sequer apareça... E como há mais Miguéis Ângelos e Luíses Osórios do que Vascos Pulidos Valentes, isto leva-me a concluir que Kant tinha razão quando escolheu a máxima "pensar por si" como a primeira das três máximas do entendimento humano comum. "Pensar por si" é pensar "livre de preconceito". Ainda segundo Kant, na Crítica da Faculdade do Juízo, o preconceito é uma razão passiva e o maior preconceito "é representar a natureza como não submetida a regras que o entendimento pela própria lei essencial lhe põe no fundamento" e acrescenta: "isto é superstição. Libertação da superstição chama-se esclarecimento."



Mas como é que nos livramos desse conhecimento passivo? Do preconceito? Do prae-iudicium? De uma decisão preconcebida? Julgo que o bom caminho para começar a pensar pela própria cabeça é não ter medo de errar e estar atento a quem sabe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:33

...

por Carla Hilário Quevedo, em 04.04.03
Superfesta



Ontem, os Manéis (Manuel Alves e José Manuel Gonçalves) inauguraram a nova loja - fantástica - na Rua Serpa Pinto, 15, no Chiado. Imensas tias giraças e manequins, catadupas de fotógrafos do social e actores. Não exactamente "the scumb of the earth", mas quase... A festa continuou na Bica do Sapato, sem fotógrafos, para o social não ser apanhado a fazer figuras tristes.



Hoje, durante todo o dia, tem-me assaltado a imagem da Mónica Penaguião a fazer a espargata! Isto é gente de muitas coreografias. Também me lembro de um rapaz de boné azul, ansioso por ser confundido com o José Castelo Branco; de comer um D. Rodrigo magnífico e de uma miúda gira com ares de eslava, mas muito portuguesa, que perguntava à saudável (sem ironias) Sofia Aparício: "Onde compraste esse vestido?" e de ouvir a manequim a responder: "Na Zara." Mais uma história maravilhosa que me ficou na cabeça...



Prometo que o próximo post será sobre Kant.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:58

...

por Carla Hilário Quevedo, em 04.04.03
Os meus queridos amigos John DiFool e Macguffin falaram de mim e do bomba inteligente nos respectivos blogues. Até fiquei de lagrimita ao canto do olho... comovida... Beijinhos para ambos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:45

...

por Carla Hilário Quevedo, em 03.04.03
Pergunta proibida da semana e, muito provavelmente, do ano: como vai a tese?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14

...

por Carla Hilário Quevedo, em 03.04.03
E aos escudos humanos só tenho uma coisa a dizer: getalife!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:08

...

por Carla Hilário Quevedo, em 03.04.03
Peter Arnett: diferenças entre liberdade e lealdade



Ainda ontem na SIC Notícias à tarde, num programa democrático de nome Opinião Pública, assisti (durante cinco minutos) à defesa deste jornalista e da liberdade de imprensa pela Diana Adringa. Previsível. Ao que parece, o Daily Mirror contratou Peter Arnett, com certeza para cobrir histórias do género "Os Sósias De Saddam", "A CIA Sabe Que Saddam morreu Mas Não Conta A Ninguém", and so on, and so on... Ainda na SIC, há uns dias, ouvi o comentário que passo a transcrever do Rodrigo de Carvalho ao Luís Costa Ribas, a propósito de eventuais "pressões exteriores" no despedimento do jornalista do canal NBC: "Ó Luís, agora tens de ter cuidado com o que dizes." Resposta do Luís: "Pois, mas duvido que a SIC cedesse a tais pressões." O jogo de faz-de-conta teve graça: "Vá lá! E se nós fossemos a NBC e tu fosses o Peter Arnett..." O Luís Ribas há muito que está na América, mas que eu saiba não é americano e, como consequência, ninguém o convidou para dizer coisa nenhuma. Assim sendo, o Luís Ribas é capaz de ter razão: a SIC não cede a pressões. Porque não tem a mínima importância.



Pressionado ou não, o canal NBC fez o que devia: despedir um jornalista que quebrou uma regra sagrada, sobretudo em tempo de guerra. Peter Arnett deixou-se levar pelas vítimas iraquianas e não se coibiu de as louvar, afirmando mesmo que os americanos "tinham de rever os planos de ataque porque não tinham contado com a resistência iraquiana". Dizer publicamente ao inimigo "keep up the good work!" não me parece ser uma atitude de jornalista isento, de repórter de guerra, que tem o dever de informar do que se passa no campo de batalha e arredores. Mas, se calhar, enganei-me: o homem trabalhava para a Al-Jazeera? E o que é que a liberdade tem a ver com isto? Liberdade significa ser traidor e não sofrer as consequências? Será que os jornalistas estão isentos de defender princípios básicos?



Julgo que o despedimento é merecido, e penso que Arnett o devia esperar (senão não teria feito aquele pedido de desculpas tipo "aiaiaiai, que vou ser posto a andar").

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:05

...

por Carla Hilário Quevedo, em 02.04.03
As bombas inteligentes não são estúpidas; são bombas que aprendem.

Colin Powell, 1991 (segundo me informou a minha querida Ana Albergaria) e Nuno Rogeiro, 2003

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55

Pág. 5/5