Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Carla Hilário Quevedo, em 22.01.04
Vasco Graça Moura traduziu o poema Mar da Manhã, de Konstandinos Kavafis, a partir das explicações que aqui apresentei e comparando as várias traduções do poema. Gosto desta versão, porque devolve o ritmo ao poema e, sobretudo, gosto do tom. Compreender o poema é também compreender a língua, mesmo sem a saber. Muito obrigada.



Mar da manhã



Deter-me aqui. E olhar um pouco a natureza.

Mar da manhã e um céu sem nuvens,

brilhar do azul e orla amarela; e tudo

belo, grande, iluminado.



Deter-me aqui. E iludir-me a ver isto

(sim, por instantes o vi, quando aqui parei)

e não, também aqui, meus devaneios,

recordações, imagens do prazer.



Tradução de Vasco Graça Moura

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:44