Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Carla Hilário Quevedo, em 22.10.03
A discussão sobre os escritores e os pedreiros vai longa como se quer. Continuo a receber comentários e continuo a publicá-los.



Do blogue A Memória Inventada recebo uma resposta prática, como gosto: "A minha resposta é algo prosaica, mas é também clara e pode ser facilmente testada. Creio que todos aqueles que desenvolvem actividades APARENTEMENTE fáceis estão sujeitos ao tipo de juízo a que te referias ('ou são bons ou não são nada'). Um escritor é um tipo que escreve e o acto em si não tem nada de misterioso, excepto para os analfabetos. Qualquer um pode ficar com a ILUSÃO de também ser capaz de fazer o que o escritor faz. Logo, um mau escritor não é um escritor; é apenas mais um de nós. O mesmo acontece com os fotógrafos, por exemplo. Pelo contrário, nas profissões em que o grau de especialização é EVIDENTE, não somos tão levianos a desclassificar alguém. Um mau carpinteiro ainda será um tipo capaz de fazer uma porta, ainda que empenada. O comum dos mortais será apenas capaz de martelar os dedos. O mesmo acontece com os trapezistas de circo, por exemplo." Pois. Queres então dizer, meu caro Tulius, que a escrita não sobrevive sem uma técnica. Claro, porque a escrita é uma actividade racional. Como toda a arte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:29